A Promessa da Redenção


Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar. Gênesis 3:15

Ao ver a queda de uma flor e de uma folha, Adão e sua companheira testemunharam os primeiros sinais da decadência. De maneira clara, perceberam a cruel realidade de que todas as criaturas vivas deveriam morrer. Mesmo o ar, de que dependia a sua vida, continha as sementes da morte.

Continuamente se lembravam também de seu domínio perdido. Entre os seres inferiores, Adão se achara como rei, e enquanto permaneceu fiel a Deus, toda a natureza reconheceu o seu governo; mas, após a transgressão, foi despojado desse domínio. O espírito de rebelião a que ele próprio havia dado entrada, estendeu-se por toda a criação animal. Assim, não somente a vida humana, mas a natureza dos animais, as árvores da floresta, a relva do campo, o próprio ar que ele respirava, tudo apresentava a triste lição do conhecimento do mal.

Entretanto o homem não ficou abandonado aos resultados do mal que havia escolhido. Na sentença pronunciada sobre Satanás, ficou notificado que haveria redenção. “Porei inimizade entre você e a mulher”, disse Deus, “e entre a sua descendência a o descendente dela; este lhe ferirá a cabeça, e você lhe ferirá o calcanhar” (Gn 3:15). Esta sentença proferida aos ouvidos de nossos primeiros pais, era uma promessa. Antes de ouvirem acerca dos espinhos e cardos, de trabalhos e tristezas que deveriam ser o seu quinhão, ou do pó a que deveriam voltar, ouviram palavras que não poderiam deixar de lhes dar esperança. Tudo que se havia perdido, rendendo-se a Satanás, poderia ser recuperado por meio de Cristo.

O mesmo nos é sugerido também pela natureza. Apesar de maculada pelo pecado, ela fala não somente da criação, mas também da redenção. Embora a terra seja testemunha da maldição, com sinais evidentes de decadência, é ainda rica e bela nos indícios de um poder que confere vida. […]

Onde quer que o mal tenha chegado, pode-se ouvir a voz de nosso Pai ordenando a Seus filhos que vejam nos seus resultados a natureza do pecado, admoestando-os a abandonar a maldade e convidando-os a receber o bem (Ed, p. 26, 27).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: