Música cristã contemporanea é Música Cristã


musicaUm papo aberto sobre a função da música contemporânea na igreja de hoje

“Celebrai com júbilo ao Senhor, todos os habitantes da terra; dai brados de alegria, regozijai-vos, e cantai louvores. … exultai diante do Rei, o Senhor” (Salmo 98:4-6).

A música – tópico polêmico no atual panorama do cristianismo – é, também, um assunto de tempero forte dentro da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Nada inflama as paixões dos crentes mais que a “dignidade” ou a “falta de dignidade” desse ou daquele tipo de música. Infelizmente, deixa-se passar por alto a realidade de que fatores como gosto pessoal, cultura, educação, estilo de vida e inúmeros outros podem ditar a preferência musical de uma pessoa. Portanto, muitos membros da igreja que são sinceros, porém dogmáticos, podem estar tomando determinada posição mais por opiniões pessoais que por princípios bíblicos.

A música é comum a todos os povos, classes e culturas. Por ela, cada sociedade compartilha de um tipo de apreciação. E os tipos de música são notoriamente diversos, de fato. Mas tudo é música do mesmo jeito. Então, por que o assunto da música é tão controvertido? Por que, de forma frequente, a intolerância, proeminentemente, se assenta na fileira da frente, quando a música começa a tocar? Por que uma forma de música é aceita hoje, se para uma ou duas gerações atrás ela era “barulho demoníaco, desviando as pessoas de Deus”?

Dan e Peter Stevens, autores de “Por que derrubar o Rock?” (Why Knock Rock?), declaram: “Assim como uma língua … a música tem a capacidade de se comunicar somente com a cultura que a produz. Ela geralmente confunde quem está de fora, assim como pessoas de idiomas diferentes, algumas vezes, são vítimas de mal-entendidos e frustrações em virtude de falhas de comunicação. Isto ocorre com música ou diferentes gerações” (Dan Stevens and Peter Stevens, Why Knock Rock? (Minneapolis: Bethany House Pub., 1994).

Simplificando, as pessoas gostam do que elas gostam. Se algo soa estranho ou diferente, então, para muitos, “é do diabo”. Mas espere um minuto! Só porque eu não gosto de alguma coisa ou porque tive alguma experiência negativa com ela, isso não a torna pecaminosa ou maligna. Quando eu estava no Ensino Médio, me machuquei num acidente com esqui aquático no mar. Até hoje não pratico mais esqui aquático. Portanto, praticar esqui aquáticoé errado? Não, só não é meu esporte favorito.

As Zonas de Conforto Variam

Será que alguns líderes de igreja denunciam o “rock” cristão porque eles não o entendem ou, talvez, porque estejam cegados de preconceitos oriundos de sua geração ou preferência pessoal? Não há dúvida de que eles sejam líderes íntegros! Mas integridade não pode ser algo que leve os jovens adventistas a rejeitarem a religião simplesmente pela falta de uma forma legítima de expressar sua própria identidade cristã. Como aconteceu com Davi, não deveria ser permitido à atual geração de adventistas o ato de “lutar com sua própria armadura”?

Ao dizer tudo isso, não estou promovendo “rock and roll”. Só estou defendendo uma forma legítima de fazer música cristã e dar o testemunho da fé em Jesus. Creio que a música, em si mesma, é destituída de qualidade moral, tanto para o bem quanto para o mal. A questão tem mais a ver com o emprego da música que com a música propriamente dita. Paul Hamel, um músico adventista conservador, faz a aplicação à neutralidade da música instrumental quando ele escreve o seguinte, em Adventists Affirm: “Talvez nenhuma linha melódica seja de herança maligna, ou uma harmonia de quatro partes inaceitável. Eu não tenho como conceber uma série de acordes que seriam, em si mesmos, objetáveis”. Embora, aqui, Hamel seja tão verdadeiro, por outro lado, ele toma uma posição inconsistente quando lida com a música rock cristã, considerando-a “incabível na igreja, não importando quão ortodoxa seja sua letra”, por causa de sua associação com “tipos de comportamentos  não cristãos e inaceitáveis”.

Padronização Dúbia?

O problema é que, de certo modo, Hamel não aplica o mesmo padrão para a música secular clássica que tem, também, suas raízes e suas associações não cristãs. Tome, por exemplo, a marcha nupcial de Lohengrin, uma ópera libreto que ele reconhece ser “baseada em conceitos longe dos ideais cristãos”. Ainda assim, ele declara: “Embora não tenha sido criada com um propósito sacro, ela é uma música que foi artisticamente composta, em contraste com o que é ocasionalmente ouvido em nossas igrejas hoje em dia” (Paul Hamel, Adventist Affirm, Fall 1991). Evidentemente, ele considera que músicos cristãos contemporâneos tais como Amy Grant, Russ Taff, Ray Boltz e David Meece (formado na Juilliard, renomada escola de música e artes em NY, EUA) sejam algo menos que “compositores artísticos”. Mas, baseado em quê? A única resposta possível é “gosto pessoal”.

A música pode ser boa ou má dependendo do seu uso. Considere como os nazistas tocavam a música de Wagner para acalmar as emoções das suas vítimas de câmara de gás, enquanto estas marchavam para a morte. A música usada para o mal produz resultados malignos, mas não é por isso que a gente vai “jogar o bebê fora, junto com a água da banheira”. Eliminar as raízes seculares da música cristã significaria dizer adeus aos hinos de Martinho Lutero, cuja musicalidade foi emprestada das músicas folclóricas seculares alemãs. Bernard de Clairvaux, um cristão do século XII, colocou a letra de “Oh! Fronte Ensangüentada” [Hinário Adventista, 65] numa música de uma dança germânica. E do atual “Hinário Adventista do Sétimo Dia”, vários hinos teriam que sair porque foram baseados em canções seculares contemporâneas de seus dias.

Seria possível dizer que todos os nossos hinos tenham sido significativamente influenciados pela música de seus dias? Seria muito bom conceder, aos atuais cristãos, um pouco mais de latitude para pensar e agir por si mesmos, no exercício da harmonização das suas preferências musicais com as suas próprias consciências. Sejam quais forem os nossos caprichos musicais, vamos nos lembrar que a nossa juventude tem o direito à sua própria preferência também. A despeito de como nos sintamos em relação à música cristã contemporânea, ela é música CRISTÃ.

Diferente do Rock Secular

A música cristã contemporânea se difere do rock secular em quatro áreas principais: letra, estilo de vida, objetivos e estética visual. Em cada uma dessas áreas, o artista cristão procura exaltar a Jesus Cristo e/ou o estilo de vida cristão. Para milhões de pessoas, essas músicas têm sido benéficas na manutenção da sua caminhada com Cristo e do contínuo estado de oração defendido em I Tessalonicenses 5:17.

Barbara Jepson, escrevendo no Wall Street Journal, observa: “A questão, eu penso, não é se essa mistura do sacro com o secular é inapropriada, mas quão efetivamente ela funciona. Como sou uma jornalista musical e, ao mesmo tempo, cristã, tenho três critérios: De alguma forma, o conteúdo espiritual me encoraja, exorta ou conforta? Segundo, a música é atraente? Finalmente, a música combina com a letra…?” (Barbara Jepson, “Pop Music for the Young and Pious”, Wall Street Journal, Jan. 6, 1993). E ela prossegue mostrando como a música cristã contemporânea amplamente se encaixa nesses requerimentos espirituais tão fielmente como qualquer outro tipo de música cristã tradicional.

Pela contemplação, nós somos transformados (veja 2Coríntios 3:18). Aqueles que enchem suas mentes com mensagens seculares, positivas ou negativas, invariavelmente se tornarão mais seculares. Entretanto, aqueles que ouvem música cristã contemporânea estão enchendo suas mentes com uma mensagem cristã. E isso, somado a uma fiel vida devocional, termina resultando em frutificação espiritual. Mas, para muitos jovens adventistas, as formas tradicionais ou antigas de louvor a Deus simplesmente “não colam”. É algo que, nada mais nada menos, não lhes dá uma comunicação com a qual possam identificar-se. E, com certeza, isso não é porque eles teriam sido “corrompidos pelo mundo”, como alguns prefeririam definir sem pensar.

No começo dos anos 70, Bob Larson, um ex-músico de rock secular e DJ, condenou a música rock cristã. E, de fato, ele é a fonte mais frequentemente citada por adventistas que desejam denegrir a música cristã contemporânea. Infelizmente, eles citam o Larson do passado. Nos anos 80, depois de entrevistar músicos, ouvi-los e estudar o rock cristão, Larson mudou de ideia. Depois disso, passou a endossar, avidamente, esse tipo de música como uma alternativa cristã saudável.

Jovens que abandonam “Guns ‘n Roses” ou “Red Hot Chili Peppers” por Cristo, precisam de uma alternativa saudável e jovem: música de boa qualidade que lhes dê motivação positiva e lhes fale do amor de Jesus. Se forçados a engolir a música de uma geração passada, da qual eles não gostam, eventualmente se voltarão contra ela –  e contra a igreja, que os roubou de sua verdadeira geração e de seu significado pessoal.

Evangelismo Contemporâneo Cristão

Os jovens de hoje, principalmente os adolescentes, vivem com a música. É a paixão deles. Para alguns, é a sua vida. A compreensão do que isso significa pode nos dar um forte grau de cuidado, quando somos tentados a tentar alcançar a juventude com a música religiosa dos anos 40, 50 ou até mais antiga ainda. Seria errado que um evangelista jovem recrutasse bons cantores adventistas com modos contemporâneos e fizesse uma campanha voltada a um público de adolescentes e jovens de até 30 anos? Billy Graham destaca que 85% de todas as conversões para Cristo acontecem entre aqueles que têm até 18 anos. Com tudo isso em mente, se tal campanha fosse realizada numa cultura contemporânea, será que ela teria algum tipo de sucesso sem o uso de uma música contemporânea cuidadosamente escolhida?

A música cristã contemporânea é uma forma de traduzir a mensagem adventista do sétimo dia para uma linguagem que será compreendida pela geração presente. Se os músicos adventistas pudessem desfrutar do apoio dos líderes da igreja quando expressam as três mensagens angélicas de um jeito mais contemporâneo, veríamos um crescimento tanto no ganhar como no manter os jovens na igreja. Se pudéssemos ter a garantia da liberdade de expressão, incontestavelmente, estancaríamos a corrente hemorrágica da igreja que perde seus jovens.

Pastor Michael Tomlinson

Fonte: http://www.ministrymagazine.org

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: