Frases Célebres

Frases Célebres

“Um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima.” Louis Pasteur

“Acho impossível que um indivíduo contemplando o céu possa dizer que não existe um Criador.” Abraham Lincoln

“Os quatro Evangelhos, todos eles, dão-nos o retrato de uma personalidade muito definida, obrigando-nos a dizer: ‘Esse homem existiu. Isso não pode ser inventado.’” H. G. Wells

“Achar que o mundo não tem um criador é o mesmo que afirmar que um dicionário é o resultado de uma explosão numa tipografia.” Benjamin Franklin

“Nunca oro suplicando cargas mais leves, mas ombros mais fortes”. Phillips Brooks

“Do meu telescópio, eu via Deus caminhar! A maravilha, a harmonia e a organização do universo só pode ter se efetuado conforme um plano de um ser todo-poderoso e onisciente”. Isaac Newton

“Ninguém pode negar o fato de que Jesus existiu, nem que seus ensinamentos sejam belos. Ainda que alguns deles tenham sido proferidos antes, ninguém os expressou tão divinamente.” Albert Einstein

“Deus é a lei e o legislador do Universo.” Albert Einstein Friedrich Nietzsche, chamado “o grande filósofo do ateísmo”, escreveu a um amigo sobre a pessoa de Jesus Cristo: “Eu sei que, se não O encontrar, não terei repostas para minha vida.” E no final de sua vida, durante a qual rejeitou a Cristo, ele escreveu: “Ai daquele que não tem lar!” Friedrich Nietzsche, Ateo

“Homens de verdade vivem para Cristo” Chuck Norris (ator e empresário)

“É melhor investir quinze ou vinte dólares, hoje, comprando uma Bíblia, do que gastar cem ou cento e cinqüenta dólares por hora, no escritório de um psiquiatra amanhã.” Andrew Young, colaborador do Dr. Martin Luther King

“O maior presente que Deus deu ao homem foi a Bíblia e a pureza das suas palavras” Abraham Lincoln

“A Bíblia e a sua leitura é a razão da supremacia do reino britânico.” Rainha Elizabeth da Inglaterra

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida” Jesus Cristo – Mateus 14.6

“Ainda não encontrei a verdade!” Maomé, disse nos últimos dos seus dias de vida

“Que é a verdade?” Buda, disse no final de sua vida

“Se eu a coloco abaixo de todos os livros, ela é a que mantém todos eles, se eu a coloco no meio dos outros livros, ela é a coração desses livros, e se eu a coloco em cima dos outros livros, ela é a cabeça e autoridade de todos os livros em minha biblioteca” disse Rui Barbosa sobre a Bíblia

“Arrependo-me de ter escrito a doutrina espírita” Allan Kardec, em “Les Lumières et les Ombres du Spiritualisme” trd.fr.Paris, 1883, Dentu, na pág 114.

“A observação final é que a maioria da notável comunicação foi ditada por M. Morin, a quem Allan Kardec, durante a sua “vida-terrena”, considerava um de seus melhores médiuns e confiava muito. Para dizer que no mínimo isso é razoável e suporta a impressão da verdade.

“Eu estava fazendo uma revolução na força da guerra…, mas lendo as páginas deste livro (a Bíblia) descobri que Cristo fez uma revolução muito maior do que eu, sem violência e destruição, fez a revolução do amor e da liberdade espiritual mediante o sangue da sua cruz.” Napoleão Bonaparte

“Ainda que não prevaleça a ótica religiosa, o evangelho é um grande manual de sobrevivência nesse planeta” Miguel Falabella, ator e diretor teatral

“A Bíblia é a minha fonte de inspiração diária. Leio desde criança. Ela me traz esclarecimento, me dá tranquilidade. É a Palavra de Deus” Kaká, atleta da seleção brasileira

“Ele foi o maior de todos os personagens históricos, aquele que teve mais significado e importância, tanto que a humanidade divide a história em a.C. e d.C.” Luiz Inácio Lula da Silva, falando sobre Jesus à revista Estampa

Pasteur, importante médico e cientista francês, formulou assim sua opinião acerca da divindade de Jesus: “Em nome da ciência eu proclamo a Jesus Cristo como Filho de Deus. Meu senso científico, que valoriza muito a relação entre causa e efeito, compromete-me a aceitá-lo como fato. Minha necessidade de adorar encontra nEle a mais plena satisfação.” Louis Pasteur

“Deus lhe deu um presente de 86.400 segundos hoje. Você usou um para dizer obrigado?” William Arthur Ward

“Oração é quando você fala com Deus; meditação é quando você escuta Deus.” Diana Robinson

“Eu quero saber como Deus criou este mundo. Eu não estou interessado neste ou naquele fenômeno, no espectro deste ou daquele elemento. Eu quero saber os pensamentos dele; o resto são detalhes.” Albert Einstein

“Eu segurei muitas coisas em minhas mãos, e eu perdi tudo; mas tudo que que eu coloquei nas mãos de Deus eu ainda possuo.” Martin Luther King “Senhor, minha preocupação não é se Deus está ao nosso lado; minha maior preocupação é estar ao lado de Deus, porque Deus é sempre certo.” Abraham Lincoln

“Deus tem paciência com os maus, mas não para sempre.” Miguel de Cervantes

“A Física moderna leva-nos necessariamente a Deus. Arthur Eddington

“Quem procura a verdade procura Deus, ainda que não o saiba. Edith Stein

“Há dois tipos de pessoas: as que têm medo de perder Deus e as que têm medo de O encontrar. Pascal

“Amar alguém significa ver essa pessoa como a Deus a concebeu. Dostoievsky É um cientista bem medíocre aquele que pretende poder passar sem fé ou sem Deus! Werner Von braun, criador dos foguetes que levaram o homem à lua

A coisa de maior extensão no mundo é o universo, a mais rápida é o pensamento, a mais sábia é o tempo e mais cara e agradável é realizar a vontade de Deus. Tales de Mileto

“O que o homem pode fazer de melhor para a sua felicidade é pôr-se em harmonia constante com Deus por meio de súplicas e orações. Platão

Se Deus não existisse, seria preciso inventá-lo. Voltaire

Deus está em toda a parte, mas o homem somente o encontra onde o busca. Textos Judaicos

 

Fonte: http://setimodia.wordpress.com

Anúncios

O Hinário Adventista é para os JOVENS!

Hinário AdventistaO HINÁRIO ADVENTISTA É PARA OS JOVENS da IGREJA

Cantar os hinos do Hinário Adventista é celebrar os extraordinários feitos do passado. É relembrar as histórias de lutas e desafios dos nossos pioneiros. È firmar parte de nossa histórica herança de fé cristã escrita com oração e muita dedicação por parte de nossos heróis do passado. Agora, o grande desafio é voltar a cantar os nossos hinos em reuniões de juvenis, jovens e adultos. Penso que ao deixarmos de cantar os hinos do Hinário estamos dizendo que o passado tem pouca importância.

O Hinário Precisa Voltar Com Força Total

O que deve ser o Hinário para nossa juventude na atualidade? Comparo a um diamante que está perdendo o brilho sutilmente. Por quê? Porque tem sido usado muito pouco em reuniões espirituais, em nossas reuniões e cultos para jovens e juvenis. Vejo que os jovens, na maioria das vezes, só querem cantar com o uso de projetores e computadores. Acho que estamos formando uma nova geração, absolutamente dependente das maquinas como nunca.

É Imperioso Usar a Capacidade Imaginativa

Percebo que, aos poucos, estamos perdendo nossa capacidade imaginativa e reflexiva na hora da adoração a Deus. Alguns irmãos já não levam mais o Hinário Adventista para a igreja, afinal os hinos serão projetados num lindo telão super colorido e todos poderão cantar fazendo uso da mais avançada multimídia mundial. Isso não é de todo ruim, só que tem que haver equilíbrio no uso da multimídia em nossas igrejas e eventos. O que ocorre na hora do louvor é que estamos olhando, na maioria das vezes, mais as paisagens, as imagens, o lindo colorido do que a própria letra da música que estamos cantando. Assim a música perde um pouco sua eficácia de fixar a verdade em nossa mente.

Excesso de Sermões em Power Point Está Atrapalhando

O mesmo ocorre com o excesso de sermões apresentados em Power Point – o que era pra ser uma bênção está limitando intelectualmente os pregadores e os ouvintes. Estamos perdendo a beleza da profundidade do texto bíblico. A beleza, na maioria das vezes, fica só no slide e nada mais. Tenho ouvido que algumas igrejas se cansaram de sermões em Power Point, em especial no Sábado de manhã. Nossos pregadores correm o risco da superficialidade bíblica e, assim, nossas igrejas não são nutridas espiritualmente como precisam e como devem ser.

Não Perca a Capacidade de Pensar e Argüir

“Cada ser humano criado à imagem de Deus é dotado de certa faculdade própria do Criador – a individualidade – faculdade esta de pensar e agir.” Ellen White; Educação, p. 17
Voltemos a usar nossa capacidade imaginativa e reflexiva de forma especial na hora da adoração a Deus. Pensemos nas coisas do alto. Precisamos, urgentemente, usar muito mais o nosso Hinário e suas músicas belas, significativas e inspiradoras. O DVD e o Cd Jovem não vieram para substituir ou anular o Hinário. Eles são apenas algumas “ferramentas” a mais para louvarmos o nome de Jesus. A intenção dos realizadores dos DVD e CD Jovem tem sido firmar na América do Sul o tema jovem de cada ano com uma ou mais músicas especiais. Além de auxiliar as igrejas mais simples que não dispõem de músicos para tocar nossos hinos.

Que Tipo de Música Você Está Oferecendo a Deus?

Outro tema preocupante é quanto ao estilo de música que estamos oferecendo a Deus nas nossas reuniões espirituais. Temos presenciado grande diversidade de estilos musicais. Então surge a pergunta: “Que tipo de música é aceitável por Deus?”.
Percebo que o estilo de música neopentecostal está invadindo nossas igrejas. A emoção está tomando conta da adoração. Começamos com o movimento de levantar as mãos, em seguida veio a bateria elétrica e, agora, infelizmente já temos bateria acústica em algumas de nossas igrejas – isso é uma lástima. Pelo andar da carruagem, o próximo passo será dançar. Claro que isso não vai acontecer, porque Deus está no comando de Sua preciosa igreja.

O Que Ellen White Viu Em Matéria de Adoração com Instrumentos de Percussão nos Últimos Dias?

“As coisas que me descrevestes como tendo lugar em Indiana, o Senhor me revelou que haveriam de ter lugar imediatamente antes da terminação do tempo da graça. Demonstrar-se-á tudo o que é estranho. Haverá gritos com tambores (baterias), música e dança. Os sentidos dos seres racionais ficarão tão confundidos que não se pode confiar neles quanto a decisões retas.” Ellen White, Eventos Finais, p. 138. É interessante notar que a palavra para “tambores” no texto original, em inglês, da citação, é “drums”, que significa bateria. É importante frisarmos que nos centros de espiritismo e macumba os principais instrumentos usados são os tambores – a percussão. Qual música Deus aceita?

A Música Aceitável Por Deus

“A música só é aceitável a Deus quando o coração é consagrado, e enternecido, e santificado por sua docilidade”. Ellen White, Evangelismo. P. 512
O que me chama atenção na citação é a frase ”o coração é consagrado”. É que o coração consagrado é seletivo, por sua natureza, na hora de escolher uma música para louvar o nome de Jesus. Esse desafio não é de hoje, é desde a época do apóstolo Paulo quando ele disse, em certa ocasião, escrevendo aos Coríntios: “Cantarei com o meu espírito, mas também com a mente…” I Coríntios 14:15.

Paulo está falando que a música que deve ser cantada na casa de Deus, em especial, deve ter um tênue equilíbrio entre nossa emoção e razão, o que não é algo fácil de acontecer, porém, também não é impossível. Estou certo que a música sacra que agrada a Deus tem sutil equilíbrio entre a letra, a melodia, a harmonia e o ritmo. O nosso Deus é o Deus do equilíbrio. Satanás é o agente da desordem e ele está sempre nos extremos, e os extremos são sempre perigosos. Quando um dos quatro elementos universais da música chama demasiadamente a atenção para si, então começamos a ter um “ruído”, digo, uma interferência na prefeita adoração a Deus.

Cantemos com Razão e Emoção

É interessante frisarmos que a palavra no original grego para “espírito” é pneuma. Essa palavra é usada tanto para descrever o princípio vital que traz vida ao corpo como o espírito racional, o poder pelo qual o ser humano sente, pensa e decide. Já a palavra para mente é nous, ela descreve as nossas faculdades de perceber, de entender, de sentir, de julgar, é a razão no sentido mais estreito, é a nossa capacidade de perceber as coisas divinas, é o poder de ponderar com sobriedade, calma e imparcialidade. A palavra pneuma também é usada no Novo Testamento para referir-se ao Espírito Santo.

A serva do Senhor, fazendo um comentário elucidativo sobre o texto Paulino de ICoríntios 14:15, disse, com firmeza: “Quando os seres humanos cantam com o espírito e com o entendimento, os músicos celestiais apanham a harmonia, e unem-se ao cântico de ações de graça.” Ellen White, Obreiros Evangélicos, p. 357.

Busquemos o Equilíbrio Espiritual na Adoração

Para mim está muito claro que, em se tratando de adoração musical ou ministério de louvor, é imperioso haver equilíbrio. Um cristão só poderá ser equilibrado espiritualmente se levar uma vida de estreita comunhão com Deus, porque daí vem sua percepção ou visão espiritual. Por quê? Por que as coisas espirituais “se discernem espiritualmente”. (I Coríntios 2:14) O Espírito Santo é quem nos fornece cada dia nova capacidade de discernimento espiritual. Já que estamos buscando o equilíbrio no louvor e na adoração A Deus, penso que estamos um pouco desequilibrados no uso excessivo dos DVDs e CDs Jovem em nossas reuniões espirituais. Se não houver uma tela grande, animada, colorida, com a letra da música e pessoas se movimentando na mesma, parece que nos limitamos na adoração a Deus. Estou convicto de que estamos perdendo nossa capacidade de imaginação e até de pensamento no que estamos louvando. Estamos supervalorizando o sentido da visão e nos esquecendo da santa imaginação e percepção espiritual.

Onde Usar o CD Jovem?

Quero pontuar algumas reuniões que considero mais apropriadas para o uso do CD Jovem, equipamento que todos so anos a igreja lança na América do Sul como subsídio para a juventude louvar a Deus. Estou certo de que o mesmo cabe para muito bem em nossas reuniões de pequenos grupos ou koinonias de jovens, camporis, acampamentos, retiros espirituais, congressos e no culto jovem se Sábado à tarde; o que também não impediria de usá-lo com mais critério em algumas reuniões formais da igreja.

Já nos cultos de quarta-feira, domingo e, em especial, no Sábado pela manhã, é imprescindível cantarmos com os hinos do Hinário. São momentos de adoração distintamente mais solenes e formais. Penso que até uma ou outra música do DVD Jovem poderia ser cantada em nossos cultos mais formais, o que não podemos é fazer disso um modus vivendi – nossa forma de adorar. O DVD Jovem na pode substituir nosso poderoso Hinário Adventista.

É claro que mesmo nessas reuniões que acabo de mencionar, também poderemos cantar hinos do Hinário Adventista em português, que tem 610 hinos. Percebo que não cantamos a metade deles porque não sabemos. O Hinário em português tem uma seção de 35 hinos voltados para os interesses peculiares da juventude. Já o Hinário Adventista em espanhol tem nove hinos voltados para os jovens, totalizando no geral 527 hinos. Também imagino que não usamos a metade.

É Imperioso Aprender Novos Hinos

O salmista diz: “Aleluia! Cantai ao Senhor um cântico novo e o seu louvor na assembléia dos santos.” Salmo 149:1. Parece-me mais oportuno que em cada culto ou reunião de jovens, reservemos um momento para aprender um hino novo do Hinário. Seria muito interessante que antes que aprendêssemos o hino, ouvíssemos um pouco da história de sua composição, o que seria extremamente enriquecedor para a juventude. Se assim fizermos, certamente o interesse dos jovens pelos hinos será outro, e o resultado será uma supervalorização dos nossos hinos, porque há sempre uma linda história por trás de cada um deles. É sempre oportuno valorizarmos mais a congregação, o todo por que “raramente deve ser o canto feito por uns poucos” (Ellen White, Evangelismo, p.504). Numa certa matéria no programa de mestrado em Teologia, ouvi de um professor que “o solo é a forma mais primitiva de adoração”. Portanto, cantemos em nossas reuniões espirituais com beleza, emoção e poder.

Deus Aceita Somente o Nosso Melhor

Quando o tema é adoração a Deus, é preciso que fique bem claro na nossa mente que Deus aceita somente o nosso melhor. Eu pergunto a você e a mim também: Tenho ofertado a Jesus aquilo que de melhor Ele me concedeu? O meu estilo musical está trazendo divisão para dentro da minha igreja, ou agrada apenas um segmento etário dentro da mesma? Os instrumentos que tenho usado na hora do louvor estão unindo ou trazendo desunião para a família de Deus? Quando faço apresentações musicais, meus irmãos me vêem como um “artista” ou como um irmão deles à serviço de Deus? Depois que me apresento, paro para ouvir o sermão em seguida ou fico rodando por aí dando autógrafos e tirando fotos? Tenho ouvido as críticas e as sugestões dos meus irmãos e tenho procurado mudar para melhor, ou minha percepção musical é o bastante?

Deus Ama o Equilíbrio e o Critério Espiritual

Ao usarmos o DVD e o CD Jovem é preciso que nos organizemos um pouco mais. Por exemplo: uma escala de pianistas e cantores encarregados de fazer o louvor é um sinal de importância para o Ministério da música. Usar mais o piano ou o órgão, em detrimento do play back reflete organização. Sempre começar os momentos de louvor com oração, orar com os músicos antes e depois dos ensaios, cuidar para que as vestimentas dos cantores e músicos estejam em harmonia com sua apresentação, levando sempre em conta a modéstia cristã. Leve em consideração que não somos artistas somos apenas os “amigos do noivo”, A glória é do noivo, o poder é do Noivo, a festa é para o Noivo, e quando o Noivo chega o amigo sai de cena.

Pastor Otimar Gonçalves
Diretor do Ministério Jovem
Divisão Sul-Americana da Igreja Adventista do Setimo Dia

A química da paixão

pessoas_inesplicaveis-uniaoadventistaDiferentes hipóteses científicas sugerem o que ocorre no cérebro da pessoa quando se apaixona por outra. A neuroquímica do amor provoca comportamentos irracionais como os dos apaixonados que fazem loucuras em nome da paixão. Estes agentes neuroquímicos agem de forma semelhante ao que ocorre quando a pessoa está sob o efeito de drogas como a cocaína. Depois passa, pode vir outro estágio melhor, maduro, ou não.

Cientistas verificaram que a dopamina, oxitocina, vasopressina e a feniletilamina (PEA) são substâncias envolvidas na química da paixão. Helen Fisher, pesquisadora da Rutgers University publicou um livro em 2004 chamado “Why We Love: The Nature and Chemistry of Romantic Love” (“Por que Nós Amamos: A Natureza e a Química do Amor Romântico”), no qual ela apresenta a teoria de que a dopamina está elevada na paixão romântica e diminuída na rejeição amorosa. Ela cita referências de estudos realizados com pessoas e animais, e mostra que há um paralelo muito forte entre comportamentos, sentimentos e substâncias químicas ligadas ao amor romântico e àqueles associados à dependência de drogas. Assim como o alcoólico, por exemplo, se sente compelido a beber, a pessoa apaixonada chora dizendo que irá morrer sem seu (a) amado (a).

Como é que pessoas adultas, inteligentes ficam presas a paixões irracionais? Esta química complexa no cérebro explica em parte isso. Mas há algo mais profundo. Evidências de estudos mostram que quando os relacionamentos se aprofundam, a paixão diminui. O efeito da droga passa, e a realidade do amor maduro pode surgir.

Andréas Bartels e Semir Zeki da University College, em Londres, no ano 2000 localizaram uma área no cérebro que é ativada pelo amor romântico. Eles examinaram estudantes que disseram estar muito apaixonados, fizeram ressonância magnética de seus cérebros, localizando uma pequena área muito ativada, diferente da que era ativada quando há só amizade normal. Viram, também, que esta área era diferente da ativada quando a pessoa sente outras emoções, como medo e raiva.

As regiões do cérebro ativadas pelo amor romântico são também responsáveis pela euforia induzida por drogas como a cocaína. O cérebro das pessoas apaixonadas, o estudo mostrou, não parece com o das pessoas experimentando sentimentos fortes, mas como o das que cheiram cocaína. A conclusão dos cientistas é que a paixão usa mecanismos do sistema nervoso que são ativados durante o processo de formar uma dependência química (adicção). Daí o Dr.Larry Young, pesquisador na área de ligações sociais na Emory University, em Atlanta, na Geórgia, falando das pessoas apaixonadas, disse: “Nós estamos literalmente adictos (drogados) ao amor.”

Helen Fisher sugere que o amor, sob o ponto de vista neurobioquímico, ocorre em três “sabores”: sensual, romântico e de longo relacionamento. Há uma sobreposição neles, mas estes existem separadamente segundo os sistemas emocionais, motivacionais e neuroquímicos.

O primeiro, claro, envolve uma fissura por sexo, e Jim Pfaus, psicólogo da Concórdia University em Montreal, diz que ocorre algo semelhante ao estado induzido pela ingestão de opiáceos. Aumenta o nível de serotonina, oxitocina, vasopressina e opiáceos endógenos (fabricados naturalmente pelo corpo e equivalentes à heroína). Estes químicos servem para relaxar o corpo, produzir prazer e saciedade.

Em seguida, vem a atração romântica, a paixão ou “amor obsessivo”. Parece ser uma evolução da atração sensual que focaliza em uma pessoa específica. É um estado caracterizado por sentimentos de estimulação e intrusão, além de pensamentos obsessivos para com o objeto da paixão. Alguns autores sugerem que este é um estado mental que compartilha características neuroquímicas semelhantes às que ocorrem na fase eufórica ou maníaca da Desordem Afetiva Bipolar. Dra. Fisher sugere que parece com algo do Transtorno Obsessivo-Compulsivo.

Os estudos mostraram que a paixão, por ser instável, não é uma boa base para educar ou criar filhos. Mas, sim, o final estágio que pode vir após a atração sensual e a paixão, o terceiro tipo estudado pela Dra. Fisher, o amor de longo relacionamento, que permite aos pais poderem fazer um bom trabalho na criação dos filhos. Este estado, segundo ela, é caracterizado por sentimentos de calma, segurança, conforto social e união emocional.

Quando alguém é movido pela paixão pode fazer muita besteira: destruir vidas, envolver-se em situações de adultério, às vezes, complicados, romper com sua família, tudo em nome de uma química disparada por decisões pessoais complexas que não tira da pessoa apaixonada a capacidade de escolher e tomar uma decisão racional. Nesse caso, de histórias tristes motivadas pela sensação do amor romântico, com rompimentos de relacionamentos familiares, a paixão é também uma droga.

Há uma diferença entre paixão e atração. Quando uma pessoa se sente atraída por outra, num primeiro momento ela sente que algo tocou em suas emoções ao observar aquele indivíduo. Surge uma atração. Dependendo do que ela fará com a primeira atração, poderá surgir ou não a paixão. Um primeiro olhar, a tentação, não é o problema principal. Tudo depende do que a pessoa fará em seguida em sua mente e, depois, no contato social.

Fábia (nome fictício) não se sentia amada por seu marido há muito tempo. Sendo uma pessoa fechada, ela não abria isso para ele. Em parte cria que as coisas poderiam ser resolvidas com o tempo, ou com poucas e não específicas reclamações. Nada mudou. Em seu trabalho havia um colega que ao elogiá-la, despertou pouco a pouco um sentimento de apreciação que ela tanto esperava do marido. Fábia tinha muita dificuldade de abrir o coração, e com isso seu marido não “adivinhava” o que ela precisava. O tempo passou e ela se sentiu fortemente atraída pelo colega do trabalho. A paixão tomou conta de sua mente e ela deixou seguir livremente em seus pensamentos.

Sentir falta de carinho, valorização, companhia, diálogo no casamento não é justificativa para a infidelidade. Explica, mas não justifica. Fábia traiu seu marido em termos afetivos. A carência que ela já havia trazido para dentro do casamento, mais a falta de manifestação de afeto por parte do marido, e os elogios do colega de trabalho foram suficientes para ela se apaixonar por ele e ficar fria e ríspida com o marido.

Um ano e pouco depois desse “namoro” extraconjugal, algo começou a acontecer com Fábia e o colega. Surgiram problemas entre eles. Ela começou a ver que ele também tinha algumas dificuldades. E rompeu. Seu marido ficou sabendo da situação e abalou-se muito. Receberam ajuda com aconselhamento matrimonial, e agora estão bem melhor no casamento com perspectivas de bom amadurecimento como casal.

A atração vira paixão quando a pessoa se deixa levar pela emoção, quando nutre o sentimento, quando não coloca nenhuma barreira para ele em sua mente. Daí fica difícil romper e administrar esse afeto tão forte, que pode virar uma obsessão.

Uma pessoa casada pode ter um primeiro olhar de atração, mas pode ficar só nele e nada mais. Ou pode ir adiante, se ela alimentar o pensamento e o sentimento em seu coração. Há uma diferença entre ser tentado e cair em tentação. A paixão ocorre quando a pessoa já se deixou levar pela imaginação, nutriu sentimentos para com a outra pessoa, então fica presa.

A razão é uma função executiva da mente humana e deve ser usada para auxiliar na administração dos sentimentos. Forte e madura é a pessoa que aprendeu a lidar com suas emoções de uma maneira que pode ter os sentimentos, mas que não deixa que eles a tenham.

Cesar Vasconcellos de Souza
http://www.vidaadois.net/

O maior segredo de Satanás

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, pois dele procedem as saídas da vida.” Provérbios 4:23.

gulaPermita-me uma sugestão pouco confortável, mas imagine você no lugar de Satanás. Sua missão é controlar os seres humanos e mantê-los em rebelião a Deus. Seu ódio por Jesus te motiva a estabelecer uma forma de manipular a mente, onde está a sede das decisões de cada ser.

Em primeiro lugar você precisa de um plano. Como bom estrategista, não pode revelá-lo a ninguém. Com o plano ultra-secreto em mãos, marca uma reunião com seus aliados – os anjos caídos.

Os anjos ao ouvirem sua proposta infalível o aplaudem em pé. Fantástico! Imbatível! Os humanos serão como robôs controlados pelo mal! Enfim, as hostes malignas terão pleno controle da mente humana.

Pouco tempo depois você fica atônito – seu plano secreto fora revelado aos cristãos! Por essa você não contava, mas como esquecer que Deus sabe de todas as coisas!? Tudo o que foi tramado saiu nos noticiários adventistas, isso mesmo, foi tudo publicado! Ao abrir o texto da “repórter” Ellen G. White você não acredita no que lê:

“Satanás reuniu os anjos caídos a fim de inventar algum meio de fazer o máximo de mal possível à família humana. Foi apresentada proposta sobre proposta, até que finalmente Satanás mesmo imaginou um plano. Ele tomaria o fruto da vide, também o trigo e outras coisas dadas por Deus como alimento, e convertê-los-ia em veneno que arruinariam as faculdades físicas, mentais e morais do homem, dominariam de tal maneira os sentidos que Satanás teria sobre eles inteiro controle… Mediante o apetite pervertido, o mundo seria corrompido”. (E.G.White. Conselhos Para a Igreja, 103 e 104)

A mente humana tem sido comparada a um computador, em que a memória está a ser continuamente programada por uma destas duas fontes: Cristo ou Satanás. Como um computador, o seu funcionamento depende da informação  recebida. Entenda como Deus se comunica conosco e como o que ingerimos tem haver diretamente com nossa espiritualidade e moralidade.

Os nervos cerebrais que se comunicam com todo o organismo são os únicos meios pelos quais o Céu se pode comunicar com o homem, em influenciar sua vida mais íntima. Seja o que for que perturbe a circulação das correntes elétricas no sistema nervoso, diminui a resistência das forças vitais, e o resultado é um amortecimento das sensibilidades da mente.” (E.G.White, Conselhos Para a Igreja,103) .

“A intemperança de qualquer espécie insensibiliza os órgãos da percepção e enfraquece de tal maneira o poder dos nervos cerebrais que as coisas eternas não mais são apreciadas, mas são colocadas no mesmo nível das comuns. As mais elevadas faculdades da mente, que visavam os mais alevantados propósitos, são trazidas em servidão às paixões mais baixas. Se nossos hábitos físicos não forem corretos, nossas faculdades mentais e morais não podem ser fortes; pois existe grande afinidade entre o físico e o moral” (E.G.White, Conselhos Para a Igreja,103).

Agora de forma mais detalhada e citando nomes, Deus revela quais são os principais vícios usados por Satanás para controlar a mente humana:
Satanás está levando o mundo em cativeiro mediante o uso das bebidas alcoólicas e do fumo, café e chá preto. A mente dada por Deus, que deve ser conservada clara, é pervertida pelo uso de narcóticos. O cérebro não mais é capaz de discernir corretamente. O inimigo tem o controle. O homem vendeu sua razão por aquilo que o enlouquece. Não tem senso algum do que é direito. Todavia a maldição da bebida alcoólica é legalizada, e opera ruína indizível nas mãos dos que gostam de condescender com aquilo que, não somente arruína a pobre vítima, mas a família inteira”. (E.G.White, Evangelismo. 529).
“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, pois dele procedem as saídas da vida” Provérbios 4:23.

Para haver uma mudança em nossos hábitos de alimentação e estilo de vida, precisamos em primeiro lugar mudar nosso interior e nossa compreensão acerca deste assunto.
Infelizmente temos a tendência de colocar nosso gosto ou prazer acima da razão e da espiritualidade.

“Como o fermento, misturado à farinha, opera do interior para o exterior, assim é pela renovação do coração, que a graça de Deus atua para transformar a vida. Não basta a mudança exterior para nos pôr em harmonia com Deus. Muitos há que procuram mudar, corrigindo este ou aquele mau hábito, e esperam desse modo tornar-se cristãos, mas estão a começar no lugar
errado. O nosso primeiro trabalho é no coração.” (E.G.White, Parábolas de Jesus, 97).

Podemos ver facilmente que o método usado por Deus para alcançar o Seu objetivo para o homem é começar pela mente ou coração. Mas mesmo isto deverá acontecer mediante a nossa permissão voluntária. “Eis que estou à porta e bato…”
Apocalipse 3:20. “Se quiserdes, e ouvirdes, comereis o bem desta terra”. Isaías 1:19. Dá-me, filho meu, o teu coração, e os teus olhos observem os meus caminhos.” Provérbios 23:26

Diz-se freqüentemente sobre alguém que está a aprender a tornar-se cristão, “Só lhe falta abandonar este ou aquele mau hábito”. Posses, atitudes ou hábitos de vida não são o problema; são apenas sintomas do verdadeiro problema. Deus diz “…o homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração” I Samuel 16:7.

Agora você já sabe sobre o plano ultra-secreto de Satanás. Mas espere um pouquinho, o que você faria no lugar dele agora que seu plano foi descoberto pelos adventistas? Pense um pouco!

Não sei o que você pensou, mas posso dizer que Satanás está satisfeito, pois mesmo tendo seu plano descoberto parece que muitos não estão nem aí, a maioria ignora os “Conselhos Sobre Saúde” e os “Conselhos Sobre o Regime Alimentar”.

Muitos zombam dos que estão tentando praticar um regime saudável com piadinhas, ou se desculpam dizendo ser extremistas os que o praticam, e que o “equilíbrio” é o ideal. Terrível engano, chamar de equilíbrio usar alimentos ou bebidas que interrompem a comunicação com o Céu!

“Você é o que você come”, diz um ditado, que poderia muito bem estar na Bíblia devido à sua veracidade.
Jesus morreu por você e deseja ser o Senhor da sua vida. Ele deseja colocar Suas vestes de justiça para encobrir nossos pecados e nos perdoar. É por isso que Ele tem tanto interesse em nossa saúde mental e física, pois disso depende uma eficaz comunicação entre Deus e o homem.

Pr. Yuri Ravem
Advir

Proteção contra a infidelidade no casamento

uniaoadventista-mãeO relacionamento humano é uma das maiores fontes de emoção para homens e mulheres, crianças ou adultos. Emoções que fluem como um raio indo do Ocidente para o Oriente. Emoções que vão das alturas do pico do Himalaia às profundezas do triângulo das Bermudas. Que vão do céu ao inferno numa fração de segundos. As relações podem ser fontes de satisfação ou de insatisfação, de alegria ou de tristeza, de prazer ou de dor. As interações humanas provocam amor e ódio, generosidade e avareza, esperança e desespero, sorrisos e lágrimas. Emoções consideradas positivas, quando despertam sentimentos afirmativos e seguros. Emoções consideradas negativas, quando os sentimentos despertados são maléficos e destrutivos.

Esta classificação não implica na sugestão de que não se deve sentir os sentimentos negativos. Pelo contrário. Para a experiência humana eles são vitais. Graças a eles somos motivados a nos afastar de tudo que nos faz mal a curto e em longo prazo. Eles são fontes de informações que indicam tudo aquilo que deve ser evitado, sanado, mudado e reorientado para se ter uma vida de menos sofrimento, angústia e solidão. O sentimento chama a atenção, desperta aquele que sente e sabe o que sente, para as escolhas de alternativas de uma vida mais saudável. Não se pode correr o risco de descartar, ignorar, ou diminuir a dimensão de sua importância. Correr esse risco é expor-se ao perigo de uma vida de insensibilidade e morbidez.

Em termos de emoções negativas dentro dos relacionamentos, quer seja na amizade ou no casamento, não há outro comportamento mais catastrófico do que a traição. A infidelidade. A deslealdade. A prevaricação. Quando um amigo ou cônjuge é traído ele passa por uma avalanche de emoções. Ele entra num furacão de sentimentos. Ele se esgota de lágrimas. Quando a pessoa descreve o que sente usa todo tipo de metáforas para se fazer entendida. Por mais que consiga se explicar, nunca acha que conseguiu expressar o que vai pela sua alma. Ela se sente absolutamente só no mundo. Ela se sente perdida dentro de uma confusão infernal. Infernal porque ela se sente em brasas, queimada viva. A raiva desperta nela uma enxurrada de adrenalina para atacar um inimigo invisível, indefinível, pelo menos no momento da descoberta da traição. A sensação de vazio, de massacre, de impotência, de abandono, deixa a pessoa em um estado de choque por algum tempo. A dor é tão grande que para sobreviver e suportar o sofrimento ela tem de negar. Ela tem de recusar a perceber a realidade. Ela recusa ver a verdade.

Passado o choque inicial ela entra em contato com a perda. Nem sempre a perda da pessoa, mas a perda da confiança. O contrato foi quebrado. O sonho de felicidade virou pesadelo de sofrimento. As promessas de união não foram cumpridas. A raiva vai dando lugar à dor e a tristeza. Junto vai a certeza de que confiança nunca mais existirá. O traído promete que nunca mais vai acreditar em ninguém. Ela está certa porque com o coração partido não pode sonhar. Muito menos fazer planos para o futuro. No estado de humilhação em que se encontra, com perda total de sua auto-estima e valor pessoal, a pessoa só pode dar-se um tempo para lamber as feridas. Sem cobrança, sem julgamento, sem autocondenação e, muito menos, auto-flagelação. Numa condição de fracasso em que se encontra, o melhor é dar um tempo para esperar as emoções se definirem e se respeitar.
Por se sentir humilhada, fracassada, desvalorizada, está num estado de influência muito grande à opinião alheia. Não falta palpite quanto às causas que levaram à traição, tanto quanto, quais são os passos para resolver a situação. É melhor ter cautela. Ir devagar, considerando sempre que quem está com o problema é quem foi traído. Diante da confusão emocional e mental, qualquer opção permanente é perigosa.

As primeiras respostas vêm do estado emocional em que se encontra. Rompe, impulsivamente, o desejo de trair para se vingar. Este é um caminho tortuoso para que se enverede por ele. Porque em vez de curar a ferida pode fazê-la sangrar mais. Se há uma coisa que o que está ferido não precisa é de se machucar mais. Surge a atribuição da culpa ao rival e não ao cônjuge traidor para se aliviar a dor. É uma tentativa de inocentar o culpado para não se sentir rejeitado demais. Brota um ciúme insuportável do rival com as mais exóticas manifestações e provoca um desejo de competição sem fim. Então fluem preocupações de cuidados pessoais exagerados. Quer seja na academia ou no trabalho. Nas compras ou nas cirurgias plásticas, na aparência ou nas dietas. Mas nada disso resolve a dor com rapidez. Leva tempo para que as coisas se acalmem.

Não adianta também ficar preocupado com as soluções se vai ou não separar, se vai ou não perdoar, se vai ou não ficar junto. Não adianta indagar sobre o que fazer com os filhos, como enfrentar os amigos e parentes, como resolver a pensão ou que trabalho procurar. Querer resolver vários problemas, ao mesmo tempo, significa não conseguir solucionar nenhum. Pior ainda, porque aumentam o sofrimento e a angústia de quem já está padecendo com o trauma da traição. É preciso saber esperar, ter paciência e resolver primeiro o estado emocional em que se encontra no caso de morte ou traição. Perdas difíceis de suportar. A pessoa não deveria tomar nenhuma decisão permanente, pelo menos, por um mês. Deve dar um tempo para colocar a cabeça no lugar. Qualquer decisão pode resultar em arrependimento futuro.

Se há tanto sofrimento assim na traição, por que as pessoas a praticam? Há todo tipo de justificativa dada por quem se envolve nesse comportamento. Alguns sugerem insatisfação sexual, incompreensão, falta de afeto, conflitos pessoais. Para outros pode ser curiosidade, vício, o desejo de emoção, amor que acabou. Pelo menos é o que a pessoa envolvida na traição fala. Entretanto, pode haver razões mais profundas como a incapacidade de se apegar ao parceiro, à falta da entrega, o não comprometimento com o outro, o pouco investimento feito no cuidado do outro. A pessoa não descobre que quanto mais se cuida, mais cresce o amor. Aliás, amar é cuidar e cuidar é amar. Para quem cuida o amor nunca acaba. Se duvida, é só experimentar!

Não se pode deixar de lado como fator contribuinte para a traição a imaturidade emocional. Uma imaturidade que mantém a pessoa numa eterna curiosidade infantil por meio da qual ela vive numa fantasia insaciável, buscando um amor romântico num eterno “foram felizes para sempre”. Esta fantasia, esta busca ilusória torna-a inapta para viver como um ser humano real, de carne e osso. O sonho dessa pessoa é uma boneca (o) que não tem vontade e que satisfaz todas as suas necessidades. São pessoas que facilmente se tornam sedutoras, sempre conquistando, o homem para provar a sua masculinidade e a mulher, a sua beleza e desejabilidade.

Não se pode deixar de lado que traição é uma escolha e como tal é uma decisão pessoal. Começa como um jogo e acaba com um coração apunhalado. Pode se dar todo tipo de desculpas e até culpar a tentação. Mas não deixa de ser uma escolha que do começo até o fim tem várias etapas que precisam ser conscientemente vencidas. Vai desde o sorriso até a lágrima. Inicialmente só dois dão risadinhas. No fim muitos choram.

Para não se envolver com a infidelidade, a traição, e passar pela dor de descobrir se é verdade ou não, tente se proteger tomando algumas medidas profiláticas, preventivas. É com medidas construtivas em favor de seu cônjuge que a pessoa se realiza como ser humano. Nada mais restaurador que a alegria contagiante de um coração carente sendo afagado. É uma alegria que espirra de volta para aquele que afagou. Quem faz é quem recebe. A proteção exige iniciativa e esforço. Quanto mais objetivo e direcionado o esforço, mais rico o resultado.

Objetivamente para se proteger contra a traição, a pessoa precisa querer não trair. Querer do fundo do coração fazer a opção pela fidelidade. Se a pessoa faz uma opção a outra some ou pelo menos deve sumir. Claro que uma relação começa por atração pelo parceiro. Sem a atração fica difícil querer construir uma relação duradoura. Uma vez que se queira e se sinta atraído, a relação começa a se formar. Ela só vai ser mantida se as necessidades pessoais forem mutuamente satisfeitas. Daí não há necessidade de buscar aventuras ou excitações fora da relação.

A relação será mantida e a traição evitada quando se cria a intimidade. A busca da aproximação. Não é grudação. É um abrir-se contínuo e lento para o outro. É deixar que o outro vá, aos poucos, se apropriando do seu eu. É permitir que o outro vá percebendo as coisas escondidas nas profundezas de sua alma. Na medida em que ele não julgue, não condene, não critique. É um processo mútuo de abertura, de descortinar o significado da própria vida para o outro. É a compreensão mútua das fraquezas e defeitos, sem piorá-los com sarcasmo ou gozação.
Para se ter intimidade é importante o comprometimento, que nada mais é do que a decisão firme, a escolha consciente de dedicação exclusiva à pessoa escolhida para se relacionar. Envidar todos os esforços para o sucesso da relação.

Aceitar o outro como é, como despertou sua atração, sem querer passá-lo por uma transformação para convertê-lo na sua própria imagem. Só pode haver espontaneidade quando se é permitido ser o que se é.

Perceber a perspectiva do outro. Perceber que ele tem os mesmos anseios de felicidade, as mesmas necessidades. Perceber que ele sofre e tem prazer como você.

Buscar um apego cada vez maior. Principalmente se for homem porque tem que se apegar. Para ser feliz é preciso alguma forma de apego. Sem ter vergonha de se entregar.
Doar-se sem cobranças. Tomar a iniciativa na doação. É um investimento total com a certeza dos dividendos. Não é um jogo. É uma entrega.
Aprender a cuidar é prática. É ação. É a parte ativa do amor. É a nutrição do amor. O amor só acaba para quem não cuida, não investe, não apega, não percebe o outro.

Mais três coisas importantes: a compreensão, o apoio e o respeito.

Ao cultivar a prevenção contra a traição, você estará impedindo de destruir corações evitando derramar lágrimas e, até, retardando a morte. Será que vale a pena? Por que não tentar?!

Dr. Belisário Marques
http://www.vidaadois.net/

Informação Secreta

“Cingindo os lombos do vosso entendimento sede sóbrios… não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; mas, como é santo Aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver.” I Ped. 1:13-15

watching-tv-fbO plano secreto de Satanás é controlar a mente dos seres humanos para desviá-los dos caminhos de Jesus.

Percebemos na revelação que um dos meios mais eficazes que Satanás usa é cessar a comunicação entre Deus e o homem, que se dá através dos nervos cerebrais. Isso o diabo consegue prejudicando a saúde pelo uso de alimentos estimulantes e hábitos não saudáveis.

Mas se estudarmos mais, vamos descobrir que seu plano é mais amplo, e além de tentar controlar o apetite e gosto, ele deseja manipular os homens através dos outros sentidos, como a visão e a audição.

“ Deveis tornar-vos fiéis sentinelas de vossos olhos, de vossos ouvidos e de todos os sentidos se quereis controlar vossa mente e evitar pensamentos vãos e corruptos que mancham a alma.”

(E.G. White, O Lar Adventista, 401).

Controlando o que vemos e ouvimos, o inimigo de Deus consegue atuar na sede de nossas decisões. Mesmo que nos julguemos incontroláveis por isso, inconscientemente nossas decisões serão tomadas à partir das informações que recebemos constantemente.

“ Satanás e seus anjos estão ativos, criando uma espécie de paralisia dos sentidos, de modo a não serem ouvidas as admoestações, advertências e repreensões, ou, se ouvidas, não terem efeito sobre o coração, transformando a vida”. (E.G.White, O Lar Adventista, 401).

Devemos cuidar das músicas que ouvimos, sites que visitamos na internet e programas que assistimos na televisão.

Para sabermos que música ouvir, qual site visitar e qual programa assistir, julgue você mesmo através do texto Bíblico abaixo que provê um princípio infalível de análise:

“Tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.” Filip. 4:8.

Vamos testar? Pense em uma música secular que está fazendo muito sucesso e um programa de TV de humor ou reality show. Agora analise baseado no texto citado acima: esta música ou programa é: verdadeiro? Honesto? Justo? Puro? Amável? De boa Fama? Tem virtude? Algum louvor? Assim, você será alguém pensante e poderá decidir ser controlado por Satanás ou não!

Algumas pessoas dizem que a única coisa que assistem na televisão são os jornais. Todavia, também devem ser analisados.

“… as coisas ridículas e sensacionais não sejam vistas. Parece que o inimigo é responsável por muitas coisas que aparecem nos jornais. Todo mal que pode ser encontrado é descoberto e desnudado perante o mundo.” (E.G.White, O Lar Adventista, 404).

Gostaria de alertar acerca dos filmes, seriados e novelas. Os autores são instrumentos de Satanás para mudar paradigmas morais e retirar o senso do sagrado e divino da mente humana.

Nunca deveríamos assistir filmes de terror, violência (chamado de forma suave de ação), com padrões morais distorcidos (atores praticam sexo antes ou fora do casamento) e filmes que contenham cenas de nudez (semi-pornográficos). Cuidado com os seriados! O estilo de vida que é proposto ali não está de acordo com o que Deus sonhou para você, e querendo ou não, você agirá inconscientemente baseado no que você vê e ouve. Por isso sua decisão deve ser: “Não porei coisa injusta diante dos meus olhos” Salmos 101:3

Através dos filmes, seriados ou novelas Deus revelou: “A mente é educada para familiarizar-se com o pecado”. (E.White,O Lar Adventista,406).

“O mundo acha-se inundado de novelas de toda sorte. Algumas não são de natureza tão perigosa como outras. Umas são imorais, baixas e vulgares; outras revestem-se de mais refinamento; todas, porém, são perniciosas em sua influência.” (E.G. White, Testemunhos Seletos – vol.1 –  237).

Consegue perceber como Satanás é esperto? Usa coisas agradáveis aos olhos e ouvidos, imagens que nos dão prazer e predem nossa atenção. Com filmes de 2 ou 3 horas, novelas que duram 3 ou 4 meses, e seriados super longos, o inimigo de Deus além de tomar tempo de ler a Bíblia e conhecer os desígnios sagrados, controla nossa mente e decisões!

“Aqueles que não querem ser presa dos ardis de Satanás devem bem guardar as entradas da alma; devem evitar ler, ver, ou ouvir aquilo que sugira pensamentos impuros. A mente não deve ser deixada a divagar ao acaso em todo o assunto que o adversário das almas possa sugerir”. (E.White,Mensagens aos Jovens,285 )

Não é por menos que muitas pessoas perdem o gosto de ler a Bíblia e o Espírito de Profecia! Não sentem prazer nas músicas sacras e muito menos freqüentar a igreja!

“Contemplarão imagens e ouvirão sons, e estarão sujeitos a influências desmoralizantes que, a menos que delas se guardem inteiramente, imperceptível mas seguramente lhes corromperão o coração e deformarão o caráter”. (E.White,O Lar Adventista,406)

Os cinco sentidos são o campo de ação de Satanás – o gosto, o tato, a visão, a audição, e o olfato – todos têm um denominador comum – todos devem ser reduzidos a sentimentos antes de poderem ser usados por Satanás para os adaptar aos seus planos. Ele usa os nossos sentimentos em vez da razão para orientar a vontade. Talvez devêssemos perguntar a nós próprios quantas decisões tomamos cada dia baseadas nos sentimentos, em vez de no uso da razão.

Quando libertamos a nossa vontade das garras de Satanás e a entregamos a Cristo, Ele purifica-a e devolve-a a nós, ligada com a Sua própria vontade. Desta forma, Ele habita em nós e nós n’Ele. O resultado é que, quando fazemos a Sua vontade, estamos fazendo a nossa própria vontade.

Jesus morreu por você e deseja ser o Senhor da sua vida. Ele deseja colocar Suas vestes de justiça para encobrir nossos pecados e nos perdoar. É por isso que Ele tem tanto interesse em que nossas decisões sejam tomadas por uma razão santificada, e não por sentimentos baseados em sugestões satânicas, através daquilo que lemos, ouvimos e vemos.

Pr. Yuri Ravem

Música cristã contemporanea é Música Cristã

musicaUm papo aberto sobre a função da música contemporânea na igreja de hoje

“Celebrai com júbilo ao Senhor, todos os habitantes da terra; dai brados de alegria, regozijai-vos, e cantai louvores. … exultai diante do Rei, o Senhor” (Salmo 98:4-6).

A música – tópico polêmico no atual panorama do cristianismo – é, também, um assunto de tempero forte dentro da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Nada inflama as paixões dos crentes mais que a “dignidade” ou a “falta de dignidade” desse ou daquele tipo de música. Infelizmente, deixa-se passar por alto a realidade de que fatores como gosto pessoal, cultura, educação, estilo de vida e inúmeros outros podem ditar a preferência musical de uma pessoa. Portanto, muitos membros da igreja que são sinceros, porém dogmáticos, podem estar tomando determinada posição mais por opiniões pessoais que por princípios bíblicos.

A música é comum a todos os povos, classes e culturas. Por ela, cada sociedade compartilha de um tipo de apreciação. E os tipos de música são notoriamente diversos, de fato. Mas tudo é música do mesmo jeito. Então, por que o assunto da música é tão controvertido? Por que, de forma frequente, a intolerância, proeminentemente, se assenta na fileira da frente, quando a música começa a tocar? Por que uma forma de música é aceita hoje, se para uma ou duas gerações atrás ela era “barulho demoníaco, desviando as pessoas de Deus”?

Dan e Peter Stevens, autores de “Por que derrubar o Rock?” (Why Knock Rock?), declaram: “Assim como uma língua … a música tem a capacidade de se comunicar somente com a cultura que a produz. Ela geralmente confunde quem está de fora, assim como pessoas de idiomas diferentes, algumas vezes, são vítimas de mal-entendidos e frustrações em virtude de falhas de comunicação. Isto ocorre com música ou diferentes gerações” (Dan Stevens and Peter Stevens, Why Knock Rock? (Minneapolis: Bethany House Pub., 1994).

Simplificando, as pessoas gostam do que elas gostam. Se algo soa estranho ou diferente, então, para muitos, “é do diabo”. Mas espere um minuto! Só porque eu não gosto de alguma coisa ou porque tive alguma experiência negativa com ela, isso não a torna pecaminosa ou maligna. Quando eu estava no Ensino Médio, me machuquei num acidente com esqui aquático no mar. Até hoje não pratico mais esqui aquático. Portanto, praticar esqui aquáticoé errado? Não, só não é meu esporte favorito.

As Zonas de Conforto Variam

Será que alguns líderes de igreja denunciam o “rock” cristão porque eles não o entendem ou, talvez, porque estejam cegados de preconceitos oriundos de sua geração ou preferência pessoal? Não há dúvida de que eles sejam líderes íntegros! Mas integridade não pode ser algo que leve os jovens adventistas a rejeitarem a religião simplesmente pela falta de uma forma legítima de expressar sua própria identidade cristã. Como aconteceu com Davi, não deveria ser permitido à atual geração de adventistas o ato de “lutar com sua própria armadura”?

Ao dizer tudo isso, não estou promovendo “rock and roll”. Só estou defendendo uma forma legítima de fazer música cristã e dar o testemunho da fé em Jesus. Creio que a música, em si mesma, é destituída de qualidade moral, tanto para o bem quanto para o mal. A questão tem mais a ver com o emprego da música que com a música propriamente dita. Paul Hamel, um músico adventista conservador, faz a aplicação à neutralidade da música instrumental quando ele escreve o seguinte, em Adventists Affirm: “Talvez nenhuma linha melódica seja de herança maligna, ou uma harmonia de quatro partes inaceitável. Eu não tenho como conceber uma série de acordes que seriam, em si mesmos, objetáveis”. Embora, aqui, Hamel seja tão verdadeiro, por outro lado, ele toma uma posição inconsistente quando lida com a música rock cristã, considerando-a “incabível na igreja, não importando quão ortodoxa seja sua letra”, por causa de sua associação com “tipos de comportamentos  não cristãos e inaceitáveis”.

Padronização Dúbia?

O problema é que, de certo modo, Hamel não aplica o mesmo padrão para a música secular clássica que tem, também, suas raízes e suas associações não cristãs. Tome, por exemplo, a marcha nupcial de Lohengrin, uma ópera libreto que ele reconhece ser “baseada em conceitos longe dos ideais cristãos”. Ainda assim, ele declara: “Embora não tenha sido criada com um propósito sacro, ela é uma música que foi artisticamente composta, em contraste com o que é ocasionalmente ouvido em nossas igrejas hoje em dia” (Paul Hamel, Adventist Affirm, Fall 1991). Evidentemente, ele considera que músicos cristãos contemporâneos tais como Amy Grant, Russ Taff, Ray Boltz e David Meece (formado na Juilliard, renomada escola de música e artes em NY, EUA) sejam algo menos que “compositores artísticos”. Mas, baseado em quê? A única resposta possível é “gosto pessoal”.

A música pode ser boa ou má dependendo do seu uso. Considere como os nazistas tocavam a música de Wagner para acalmar as emoções das suas vítimas de câmara de gás, enquanto estas marchavam para a morte. A música usada para o mal produz resultados malignos, mas não é por isso que a gente vai “jogar o bebê fora, junto com a água da banheira”. Eliminar as raízes seculares da música cristã significaria dizer adeus aos hinos de Martinho Lutero, cuja musicalidade foi emprestada das músicas folclóricas seculares alemãs. Bernard de Clairvaux, um cristão do século XII, colocou a letra de “Oh! Fronte Ensangüentada” [Hinário Adventista, 65] numa música de uma dança germânica. E do atual “Hinário Adventista do Sétimo Dia”, vários hinos teriam que sair porque foram baseados em canções seculares contemporâneas de seus dias.

Seria possível dizer que todos os nossos hinos tenham sido significativamente influenciados pela música de seus dias? Seria muito bom conceder, aos atuais cristãos, um pouco mais de latitude para pensar e agir por si mesmos, no exercício da harmonização das suas preferências musicais com as suas próprias consciências. Sejam quais forem os nossos caprichos musicais, vamos nos lembrar que a nossa juventude tem o direito à sua própria preferência também. A despeito de como nos sintamos em relação à música cristã contemporânea, ela é música CRISTÃ.

Diferente do Rock Secular

A música cristã contemporânea se difere do rock secular em quatro áreas principais: letra, estilo de vida, objetivos e estética visual. Em cada uma dessas áreas, o artista cristão procura exaltar a Jesus Cristo e/ou o estilo de vida cristão. Para milhões de pessoas, essas músicas têm sido benéficas na manutenção da sua caminhada com Cristo e do contínuo estado de oração defendido em I Tessalonicenses 5:17.

Barbara Jepson, escrevendo no Wall Street Journal, observa: “A questão, eu penso, não é se essa mistura do sacro com o secular é inapropriada, mas quão efetivamente ela funciona. Como sou uma jornalista musical e, ao mesmo tempo, cristã, tenho três critérios: De alguma forma, o conteúdo espiritual me encoraja, exorta ou conforta? Segundo, a música é atraente? Finalmente, a música combina com a letra…?” (Barbara Jepson, “Pop Music for the Young and Pious”, Wall Street Journal, Jan. 6, 1993). E ela prossegue mostrando como a música cristã contemporânea amplamente se encaixa nesses requerimentos espirituais tão fielmente como qualquer outro tipo de música cristã tradicional.

Pela contemplação, nós somos transformados (veja 2Coríntios 3:18). Aqueles que enchem suas mentes com mensagens seculares, positivas ou negativas, invariavelmente se tornarão mais seculares. Entretanto, aqueles que ouvem música cristã contemporânea estão enchendo suas mentes com uma mensagem cristã. E isso, somado a uma fiel vida devocional, termina resultando em frutificação espiritual. Mas, para muitos jovens adventistas, as formas tradicionais ou antigas de louvor a Deus simplesmente “não colam”. É algo que, nada mais nada menos, não lhes dá uma comunicação com a qual possam identificar-se. E, com certeza, isso não é porque eles teriam sido “corrompidos pelo mundo”, como alguns prefeririam definir sem pensar.

No começo dos anos 70, Bob Larson, um ex-músico de rock secular e DJ, condenou a música rock cristã. E, de fato, ele é a fonte mais frequentemente citada por adventistas que desejam denegrir a música cristã contemporânea. Infelizmente, eles citam o Larson do passado. Nos anos 80, depois de entrevistar músicos, ouvi-los e estudar o rock cristão, Larson mudou de ideia. Depois disso, passou a endossar, avidamente, esse tipo de música como uma alternativa cristã saudável.

Jovens que abandonam “Guns ‘n Roses” ou “Red Hot Chili Peppers” por Cristo, precisam de uma alternativa saudável e jovem: música de boa qualidade que lhes dê motivação positiva e lhes fale do amor de Jesus. Se forçados a engolir a música de uma geração passada, da qual eles não gostam, eventualmente se voltarão contra ela –  e contra a igreja, que os roubou de sua verdadeira geração e de seu significado pessoal.

Evangelismo Contemporâneo Cristão

Os jovens de hoje, principalmente os adolescentes, vivem com a música. É a paixão deles. Para alguns, é a sua vida. A compreensão do que isso significa pode nos dar um forte grau de cuidado, quando somos tentados a tentar alcançar a juventude com a música religiosa dos anos 40, 50 ou até mais antiga ainda. Seria errado que um evangelista jovem recrutasse bons cantores adventistas com modos contemporâneos e fizesse uma campanha voltada a um público de adolescentes e jovens de até 30 anos? Billy Graham destaca que 85% de todas as conversões para Cristo acontecem entre aqueles que têm até 18 anos. Com tudo isso em mente, se tal campanha fosse realizada numa cultura contemporânea, será que ela teria algum tipo de sucesso sem o uso de uma música contemporânea cuidadosamente escolhida?

A música cristã contemporânea é uma forma de traduzir a mensagem adventista do sétimo dia para uma linguagem que será compreendida pela geração presente. Se os músicos adventistas pudessem desfrutar do apoio dos líderes da igreja quando expressam as três mensagens angélicas de um jeito mais contemporâneo, veríamos um crescimento tanto no ganhar como no manter os jovens na igreja. Se pudéssemos ter a garantia da liberdade de expressão, incontestavelmente, estancaríamos a corrente hemorrágica da igreja que perde seus jovens.

Pastor Michael Tomlinson

Fonte: http://www.ministrymagazine.org