Coração dividido

Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras;
porque dizem e não fazem. Mateus 23:3

Após analisar um grande número de problemas conjugais, em que um dos cônjuges declarava amar seu companheiro, mas negava isto na prática, a Dra. Susan Forward concluiu que “o que estabelece a realidade é a conduta, e não as palavras”. Quando as palavras vão em uma direção e o comportamento vai em outra, deve-se acreditar no que revela o comportamento. Porque as ações falam mais alto do que as palavras.

É muito fácil aparentar uma coisa por fora e ser outra bem diferente por dentro. Um exemplo dessa duplicidade foi a vida de Robert Tisland. Dez meses após seu casamento com Lucille, ele começou a bater nela. E durante os 14 anos seguintes ele intensificou esse abuso sobre a esposa e os cinco filhos. Finalmente, Lucille não pôde mais aguentar. Uma tarde, ela entrou, na ponta dos pés, no quarto onde o marido tirava uma sesta. Aproximou-se da cama e tirou cuidadosamente, de sob o travesseiro, o revólver que o marido sempre escondia ali. Com mãos trementes ela fez pontaria e puxou o gatilho, matando o marido.

A pacífica comunidade onde os Tislands viviam, no interior do Estado de Minnesota, EUA, ficou chocada. Os muitos amigos de Lucille sempre a haviam respeitado como uma cristã devota. E seu marido, a quem ela havia assassinado, era o pastor local.

Domingo após domingo, o Pastor Robert Tisland falava do púlpito e empolgava a congregação com os seus eloquentes sermões. Mas, durante a semana, ele ameaçava a família como um cruel tirano. E, à medida que os anos passavam, as agressões foram se tornando cada vez mais brutais.

Nesse dia fatídico, Robert chegou em casa de muito mau humor. Disse que ia tirar uma sesta. “E quando eu acordar”, ele advertiu Lucille, “vou te matar!” Lucille percebeu no olhar decidido do marido, que ele ia mesmo cumprir sua ameaça. E resolveu salvar a própria vida, matando-o primeiro. As autoridades a acusaram de homicídio. Mas, em março de 1984, o júri a absolveu, após ouvir sua comovente história.

Talvez você também tenha o coração dividido e aparente o que não é. O tratamento para essa doença espiritual foi indicado por Cristo: “Limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo!” (Mt 23:26). Aqui está o grande princípio da salvação pela fé. Se você cuidar do seu íntimo, permitindo que Cristo seja o dono exclusivo do seu coração, tanto suas palavras quanto seus atos falarão a mesma linguagem.

Mensagem de Natal


Aos Amigos e visitantes,
Estamos chegando a data mais especial do ano, o natal.
O ano que passou foi bom, mas se depender da gente 2010 vai ser ainda melhor.

Vamos orar e trabalhar para que o mundo continue a valer a pena e que o amor de Deus seja alcançado por mais e mais pessoas. Assim, as relações serão cada vez mais humanas e o nosso planeta colherá os frutos destas ações que valorizam a vida!

Feliz natal e um próspero ano novo!
Equipe UA.

Reflexão: Parábola da Indecisão

Havia um grande muro separando dois grandes grupos. De um lado do muro estavam Deus, os anjos e os servos leais de Deus. Do outro lado do muro estavam Satanás, seus demônios e todos os humanos que não servem a Deus. E em cima do muro havia um jovem indeciso, que havia sido criado num lar cristão, mas que agora estava em dúvida se continuaria servindo a Deus ou se deveria aproveitar um pouco os prazeres do mundo.

O jovem indeciso observou que o grupo do lado de Deus chamava e gritava sem parar para ele:
– Ei, desce do muro agora… Vem pra cá!
O grupo de Satanás não gritava e nem dizia nada.

Essa situação continuou por um tempo, até que o jovem indeciso resolveu perguntar a Satanás:

– O grupo do lado de Deus fica o tempo todo me chamando para descer e ficar do lado deles. Por que você e seu grupo não me chamam e nem dizem nada para me convencer a descer para o lado de vocês?

Grande foi a surpresa do jovem quando Satanás respondeu:

É PORQUE O MURO É MEU!

Meditação Adventista: Provação

Vocês têm obedecido à Minha ordem […] e por isso Eu os protegerei no tempo da aflição que virá sobre o mundo inteiro para pôr à prova os povos da Terra. Apocalipse 3:10

Estou em semana de provas. São as últimas desse ano. Acho que vou ficar para recuperação em duas matérias. Pior se ficasse reprovado. Meu amigo corre esse risco. Está estudando muito, mas parece ser tarde. Brincou o ano todo e agora está com a corda no pescoço. Tenho pena dele. De vez em quando dou uma força, mas eu também não tenho muita. Um cego guiando outro cego não dá certo. Vamos esperar para ver como é que fica.

Léo, o que seu amigo está vivendo é a experiência de um grande número de alunos! Eles não levam a sério os estudos. Passam o ano brincando de ir para o colégio. Quando acordam, é tarde demais.

Jesus contou a parábola das dez moças, que ilustra exatamente esse princípio. Elas foram convidadas para um casamento. Todas ficaram animadas e foram para a festa. Só que cinco delas não se prepararam para um possível atraso do noivo. Simplesmente não fizeram nenhuma previsão e, por isso, foram apanhadas de surpresa. Como o noivo atrasou, elas acabaram dormindo.

Naquela época, elas usavam uma lamparina à base de azeite. Quando foi anunciada a chegada do noivo, foi um alvoroço só. Então, cinco delas perceberam o erro que haviam cometido. Suas lamparinas estavam se apagando e não tinham azeite de reserva. Pediram emprestado, mas na hora do sufoco, cada um tem que se virar sozinho. Então, foram comprar. Quando voltaram, a festa já havia começado e as portas estavam trancadas.

Essa história contada por Jesus ensina grandes lições. Uma delas é a de que, quando vamos fazer algo, devemos nos preparar devidamente. O mesmo acontece com as provas. Elas são fáceis para quem estuda e se prepara antecipadamente.

No livro do Apocalipse, Deus revela que haverá um tempo de provas para os habitantes da Terra. Mas Ele vai proteger aqueles que Lhe obedecem, que se preparam espiritualmente hoje. Por isso, não fique com medo. Confie e obedeça. Você vai passar no teste.

Meditação Adventista: Moldura

Eu fico acordado a noite inteira para meditar na Tua palavra.
Salmo 119:148

O pessoal de meu colégio fez uma excursão cultural. Visitamos uma galeria de arte moderna. Fiquei fascinada ao ver famosas obras de arte. É verdade que, para o meu gosto, havia algumas molduras que valiam mais do que a pintura. Só que o guia nos disse que o valor está na tela, e não na moldura.

Thaís, o que o guia disse é verdade. A moldura dá um toque final à obra de arte. Ela está para a tela acabada como o arremate para a costura pronta. Valoriza. Destaca a beleza que o artista quis transmitir. Mas ninguém fica falando do arremate, nem da moldura. Mesmo que seja mais bonita que a tela, seu papel é apenas valorizá-la.

Você já ouviu falar em moldura bíblica? Provavelmente não. Mas é um conceito interessante e fácil de entender. Essa expressão significa que a Palavra de Deus é que dá o acabamento final na maneira como os cristãos vivem, nas escolhas que fazem e no jeito de ser e de proceder. Tudo é emoldurado pelas orientações da Bíblia.

Um adolescente cristão namora de maneira diferente da de um adolescente não cristão. É que sua conduta é emoldurada pelos princípios do respeito, da decência e da moral vindos da Bíblia. Ele consegue enxergar o que outros não podem ver. Olha pela forma bíblica de ver as coisas. Se fizer uma festa, o tema não será Halloween. Também não haverá bebidas alcoólicas nem músicas profanas.

Não há como fugir. Todas as pessoas têm sua conduta emoldurada, seja pela Bíblia ou não. É só você prestar atenção. Hollywood com seus filmes e a televisão com seus programas têm ditado padrões de comportamento aos adolescentes. E eles não percebem que são manipulados. E ainda criticam os que se deixam emoldurar pela Palavra de Deus.

Fique esperto. O que é mais inteligente: ter a vida emoldurada pelas orientações do Criador ou por um programa de televisão? É uma questão de escolha, que pode fazer toda a diferença na vida de alguém.

Não fique com medo de ser “diferente”. Jesus foi “diferente”. Foi muito criticado e, nem por isso, deixou de ser e fazer o que deveria ser feito. Siga Seu exemplo. Sua vida tinha a moldura de Seu Pai – Seu Deus e nosso Deus.

Meditação: Caçador de Crocodilos

Peguem as raposas, apanhem as raposinhas, antes que elas estraguem a nossa plantação de uvas, que está em flor. Cantares 2:15

Em setembro de 2006, Steve Irwin morreu depois de ter sido ferroado por uma arraia. Esse fato passaria despercebido se o personagem dessa tragédia não fosse o famoso caçador de crocodilos. Foi difícil acreditar nessa história. Como foi possível isso ter acontecido com ele? Mas aconteceu! Aquele que enfrentou os ameaçadores crocodilos acabou morrendo pela ferroada de uma tímida arraia.

Esse é o poder das coisas aparentemente inocentes. Há rios que parecem calmos, lugares tranqüilos que escondem o perigo que há nas profundezas. Foi o que aconteceu com “Sucuri”. Esse era seu apelido. Devia ter 19 anos. Os colegas o apelidaram de Sucuri porque nadava como uma cobra. Era ágil e rápido na água. Mas, morreu afogado. Uma brincadeira tirou sua vida. Teve confiança demais, medo de menos.

O que você procura quando navega na internet? Fique esperto, pois há muito lixo – lugares aparentemente inocentes que escondem perigos para o coração e a alma. E, às vezes, basta a ferroada de uma “arraia” escondida para envenenar a vida espiritual.

No tempo de Salomão não havia internet. Mas havia outros perigos. Ele usou a figura de linguagem da agricultura para falar dessas ameaças. As raposas grandes eram vistas e combatidas. Mas quando não se ligava para as raposinhas, elas acabavam destruindo a vinha. É que as raposinhas de hoje se transformam nos raposões de amanhã. E olhe que Salomão sabia o que estava dizendo! Ele teve sua vida destruída pelas raposinhas da paixão.

Não se iluda. O mal sempre cresce – e mais rápido que o bem. Já percebeu como o mato cresce mais depressa que a verdura? Vencer as ervas daninhas requer garra, determinação e vigilância permanentes.

Você não precisa se isolar do mundo. Assista à televisão. Use seu computador e navegue pela internet. Mas faça isso com responsabilidade. Conscientize-se de que você está mergulhando em águas profundas e, por isso, vale a pena ser cauteloso. Uma brincadeira pode colocar tudo a perder. E acredite: a dor é geralmente maior do que o prazer.

Meditação: Aparências que Enganam

Meus filhinhos, não deixem que ninguém os engane. Aquele que faz o que é correto é correto, assim como Cristo é correto.
1 João 3:7

Os olhos dela eram azuis. Seus cabelos eram loiros, levemente caídos no ombro. Era linda! Chamava a atenção. Mas tudo era falso. Tinha sido produzida para representar um papel no teatro. Seus olhos naturais eram escuros. Seus cabelos naturais eram castanhos e curtos.

É isso aí, Thaís! Embora as aparências falem e digam muita coisa, às vezes são capazes de enganar. Pessoas honestas são tratadas como bandidos somente por causa das roupas humildes que usam. E, às vezes, bandidos são considerados pessoas honestas por causa do uso de um terno de grife.

A arte da camuflagem é tão antiga quanto a história do pecado. Lá no jardim do Éden, Satanás usou essa estratégia para enganar Eva. Travestiu-se de serpente. Assumiu uma aparência que não tinha, para despertar a atenção e seduzir. E deu certo. Eva acreditou nas palavras da serpente. O resto da história você conhece.

Cuide de sua aparência, para não transmitir aos outros uma coisa que você não é. Mas, sobretudo, fique esperto para não ser enganado por aqueles que usam a aparência para não despertar suspeitas.

Minha sugestão é que você viva ligado a Jesus. Ele vê o que você não vê. Conhece o que você não tem condições de conhecer. Portanto, pode conduzir sua vida em absoluta segurança.

Os que confiam no Senhor nunca se decepcionam. Ele revelou segredos aos seus servos, os profetas. E, por eles, os filhos de Deus podem ser conduzidos em segurança neste campo minado, até que Ele volte. Aí Ele vai zerar a história e começar tudo de novo, sem pecado, mentiras e camuflagens. Mas até lá, não se engane! O inimigo e seus aliados estão procurando presas fáceis, gente desligada da realidade, adolescentes que acham que nunca serão enganados, que pensam e declaram: “Comigo não vai acontecer.”

Se os peixes soubessem da existência do anzol, será que morderiam a isca?