Uma Lei Para Todas as Épocas

uniaoadventista - ua images

Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a Minha voz e guardardes a Minha aliança, então, sereis a Minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a Terra é Minha; vós Me sereis reino de sacerdotes e nação santa. Êxodo 19:5, 6

Esta aliança [Êx 19:1-6] é uma revelação da bondade de Deus. O povo não tinha buscado isso. As pessoas não estavam estendendo as mãos em busca de Deus; mas Ele mesmo estendeu graciosamente Seu poderoso braço, convidando-as a unirem os braços ao dEle, para que pudesse ser a defesa deles. Voluntariamente, Ele escolheu como Sua herança uma nação que tinha vindo da escravidão egípcia, um povo que devia ser educado e ensinado a cada passo. Que expressão de onipotente bondade e amor! [...]

Repetidas vezes o Senhor permitiu que Seu povo fosse levado a dificuldades, para que, em seu livramento, pudesse revelar Sua misericórdia e bondade. Se agora escolheram não crer nEle, precisariam duvidar da evidência diante dos próprios olhos. Tinham recebido inconfundível prova de que Ele era um Deus vivo, “compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade” (Êx 43:6). Ele tinha honrado Israel perante todas as hostes celestiais. Trouxe-os para Si mesmo – para uma aliança de relacionamento e comunhão com Ele.

Os filhos de Israel tinham passado três meses na jornada desde o Egito e estavam agora acampados diante do Monte Sinai onde, de forma tremenda e grandiosa, o Senhor declarou Sua lei. Ele não Se manifestou em grandes construções feitas por mãos humanas, estruturas de artifício humano. Revelou Sua glória em uma elevada montanha, um templo de Sua própria criação. O topo do Monte Sinai se elevava acima de todos os outros em uma cadeia de montanhas no deserto estéril. Deus escolheu essa montanha como o lugar onde Se faria conhecido ao Seu povo.

Ele Se mostrou a eles em tremenda grandiosidade, e falou em voz audível. Ali Se revelou ao Seu povo, como nunca fizera em qualquer outro tempo, mostrando assim a importância da lei para todas as épocas. Hoje Deus é específico em que guardemos os Seus mandamentos (MR1, p. 105, 106).

O Exemplo de Abraão

abraao

Em tua semente serão benditas todas as nações da Terra, porquanto obedeceste à Minha voz. Gênesis 22:18

No Monte Moriá, outra vez, Deus renovou Seu concerto, confirmando com juramento solene a bênção a Abraão e sua semente, por todas as gerações vindouras: “Por Mim mesmo, jurei, diz o Senhor, porquanto fizeste esta ação e não Me negaste o teu filho, o teu único, que deveras te abençoarei e grandissimamente multiplicarei a tua semente como as estrelas dos céus e como a areia que está na praia do mar” (Gn 22:16, 17). [...]

O grande ato de fé, de Abraão, permanece como uma coluna de luz, iluminando o caminho dos servos de Deus em todos os séculos subseqüentes. Abraão não procurou esquivar-se de fazer a vontade de Deus. Durante aquela viagem de três dias, ele teve tempo suficiente para raciocinar, e para duvidar de Deus, se estivesse disposto a isto. [...] Abraão era humano; suas paixões e afeições eram semelhantes às nossas; mas não se deteve a discutir como a promessa poderia se cumprir caso Isaque fosse morto. Não se deteve a argumentar com o seu coração dolorido. Sabia que Deus é justo e reto em todas as Suas reivindicações, e obedeceu à ordem ao pé da letra. [...]

Foi para impressionar o espírito de Abraão com a realidade do evangelho, bem como para provar sua fé, que Deus o mandou matar seu filho. A angústia que ele sofreu durante os dias tenebrosos daquela terrível prova foi permitida para que compreendesse, por sua própria experiência, algo da grandeza do sacrifício feito pelo infinito Deus para a redenção do homem. Nenhuma outra prova poderia ter causado a Abraão tal tortura de alma, como a oferta de seu filho. [...] Que prova mais forte se pode dar da infinita compaixão e amor de Deus? “Aquele que nem mesmo a Seu próprio Filho poupou, antes O entregou por todos nós, como nos não dará também com Ele todas as coisas?” (Rm 8:32) (PP, p. 153, 154).

Poder Para Obedecer

poder-para-obedecer

Porque não temos Sumo Sacerdote que não possa compadecer-Se das nossas fraquezas; antes, foi Ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna. Hebreus 4:15, 16

Satanás apresenta a divina lei de amor como uma lei de egoísmo. Declara que é impossível obedecer aos seus preceitos. A queda de nossos primeiros pais, com toda a miséria resultante, ele atribui ao Criador, levando os homens a olharem a Deus como autor do pecado, do sofrimento e da morte. Jesus devia desmascarar esse engano. Como um de nós, cumpria-Lhe dar exemplo de obediência. Para isso tomou sobre Si a nossa natureza e passou por nossas provas. “Convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos” (Hb 2:17).

Se tivéssemos de sofrer qualquer coisa que Cristo não houvesse suportado, Satanás apresentaria o poder de Deus como insuficiente para nós. Portanto, Jesus “como nós, em tudo foi tentado” (Hb 4:15). Sofreu toda provação a que estamos sujeitos. E não exerceu em Seu próprio proveito qualquer poder que não esteja livremente ao nosso alcance. Como homem, enfrentou a tentação e venceu-a com o poder que Lhe foi dado por Deus. Diz Ele: “Deleito Me em fazer a Tua vontade, ó Deus Meu; sim, a Tua lei está dentro do Meu coração” (Sl 40:8).

Enquanto andava fazendo o bem e curando todos os aflitos do diabo, tornava evidente aos homens o caráter da lei de Deus e a natureza de Seu serviço. Sua vida testemunhava ser possível obedecermos também à lei de Deus.

Por Sua humanidade, Cristo estava em contato com a humanidade; por Sua divindade, firma-Se no trono de Deus. Como Filho do homem, deu-nos um exemplo de obediência; como Filho de Deus, dá-nos poder para obedecer. [...]

Cristo foi tratado como nós merecíamos, para que pudéssemos receber o tratamento a que Ele tinha direito. Foi condenado pelos nossos pecados, nos quais não tinha participação, para que fôssemos justificados por Sua justiça, na qual não tínhamos parte. Sofreu a morte que nos cabia, para que recebêssemos a vida que a Ele pertencia. “Pelas Suas pisaduras fomos sarados” (Is 53:5) (DTN, p. 24, 25).

Famílias que Glorificam a Cristo

familia

Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele. Provérbios 22:6

Deve-se ensinar às crianças que elas são parte de um lar sólido. Elas são alimentadas, vestidas, amadas e cuidadas; e precisam responder a esses muitos favores trazendo toda a felicidade possível à família da qual são membros. Assim se tornam filhos de Deus, missionários no círculo do lar.

Se os pais negligenciarem a educação de seus filhos, estão privando-os do que é necessário para o desenvolvimento simétrico e completo do caráter, que seria a maior bênção para eles em toda a vida. Quando se permite que as crianças sigam seus próprios caminhos, elas recebem a idéia de que seus desejos e vontades devem ser satisfeitos. Educadas deste modo, elas levam a toda a sua experiência religiosa as deficiências da educação do lar.

Deus deseja que nossas famílias sejam símbolos da família do Céu. Que os pais e filhos conservem em mente este fato cada dia, mantendo entre si relações de membros da família de Deus. Então sua vida será de tal natureza que dará ao mundo uma lição objetiva do que podem ser famílias que amam a Deus e guardam os Seus mandamentos. Cristo será glorificado; Sua paz, graça e amor impregnarão o círculo da família como um precioso perfume. A vida dos filhos de missionários cristãos será uma linda oferta a Deus. Isso alegrará o coração de Jesus, e será considerada por Ele como a mais preciosa oferta que pode receber.

Que o Senhor Jesus Cristo seja adorado em cada família. Se os pais derem aos filhos a devida educação, eles mesmos ficarão felizes ao ver os frutos da cuidadosa instrução expressos num caráter semelhante ao de Cristo. Estão fazendo para Deus a mais sublime obra ao apresentar ao mundo famílias bem ordenadas e disciplinadas, famílias que não apenas temem ao Senhor, mas que O honram e O glorificam pela influência que exercem sobre outras famílias; e receberão o galardão (RH, 17/11/1896).

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.