Enem 2009 – Informações extras!!!

Vocês poderão assistir a entrevista com o presidente, Prof. Reynaldo Fernandes, do INEP/MEC (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), com a explicação para os alunos adventistas que poderão fazer o exame ENEM 2009, após o por do sol, do dia 03 de outubro.

As inscrições estão abertas até o dia 17 de julho.
O site para fazer a inscrição é: www.inep.gov.br.

A Revista Novo Tempo apresentará a entrevista com o Prof. Reynaldo Fernandes, na sexta-feira, dia 10 de julho, às 20h00.

Por favor, divulguem essas informações.
Mais informações: www.portaladventista.org

Prezada Senhora Dormélia:
O INEP está  tratando de uniformizar internamente uma determinação que partiu do presidente Reynaldo Fernandes. Reitero a informação de que estamos reestruturando a apresentação das opões do sistema de inscrições ao Enem 2009 para que fiquem da seguinte forma:

Necessita de condições especiais para realizar a prova?  (x) Sim  (  )Não Atendimento especial
1. Unidade hospitalar
2. Unidade prisional
3. Outro _________________________ (é nesse campo que o sabatista deve declarar sua condição)
 
Pessoa com Deficiência ou Mobilidade Reduzida
1. …
2. …
3. …
4. …
5. …
6. …
7. Outra (quem já tiver se declarado sabatista aqui ou vier a utilizar esse campo, consideraremos também em nosso banco)

O sistema de inscrições já foi devidamente adaptado, e segundo a área técnica está em condições de ser acessado.

Colocamo-nos à disposição para quaisquer outras dúvidas.
 
Em audiência com a presença do Pastor Edson Rosa e Líderes da Igreja Adventista, o Presidente do INEP assegurou o pronto atendimento aos guardadores do sábado.
 
João Marcos Martins
Chefe de Gabinete do Presidente do INEP/MEC

Anúncios

Liberdade Religiosa: ENEM 2009

enem2009-uniaoadventista

Brasília, DF… [ASN] Na manhã desta quarta-feira, 20 de maio, o líder de Comunicação e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista para a América do Sul, pastor Edson Rosa, e o advogado da Igreja para a mesma região, doutor Luigi Braga, estiveram em reunião com o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, doutor Reynaldo Fernandes.

Este é o órgão responsável pela aplicação do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). O motivo do encontro foi encontrar uma alternativa para os adventistas que irão participar do ENEM, nos dias 03 e 04 de outubro deste ano, já que a data envolve um sábado. Também participaram do encontro o chefe de gabinete João Marcos Martins, e o deputado Charles Lucena.

O presidente do INEP, informou que já estava no planejamento ter salas disponíveis para os guardadores do sábado. Durante a audiência foi feita uma solicitação no sentido de que na normativa para aplicação do ENEM conste a existência desta sala especial onde os guardadores do sábado possam ficar reservados até o horário do por do sol do dia 03 de outubro, quando então, farão a prova. Essa solicitação foi prontamente aceita pelo presidente Dr. Reynaldo Fernandes.

Para o pastor Edson Rosa, “trata-se de uma conquista junto ao Ministério da Educação que permite a liberdade de consciência. Nossos alunos terão o direito de guarda do sábado preservado e poderão participar tranquilamente desta seleção”. O pastor ainda acrescenta que “assim que tivermos a normativa em mãos vamos divulgá-la”.

Já está agendada uma segunda audiência com o doutor Reynaldo Fernandes, quando, em entrevista, ele dará maiores esclarecimentos sobre o a importância do ENEM e o direito de consciência que deve ser preservado.

O ENEM é um exame individual, de caráter voluntário que, a partir deste ano, deixará de ser apenas um instrumento para avaliação, e passará a ser adotado como válido para ingresso na universidade.

[Equipe ASN – Márcia Ebinger e Edson Rosa

A Estratégia Errada

uniaoadventista-uaimages-12

Era sábado. Eu havia acabado de pregar em uma grande igreja e fui almoçar na casa de um dos irmãos. Enquanto conversávamos, ele foi direto: “Estou preocupado com os rumos que as coisas estão tomando na igreja.” Logo comecei a imaginar aquilo de que ele iria reclamar.

Para minha surpresa, ele falou: “O mundo está se modernizando, todos estão mais tolerantes, mas a igreja parece que ainda não entendeu isso.” Eu estava ainda mais admirado enquanto ele continuava: “O sábado, por exemplo, é um assunto em relação ao qual a igreja precisa se contextualizar. Essa história de levar os membros a guardá-lo a qualquer preço está fora de lugar. Se a igreja continuar assim, vai se isolar e diminuir cada vez mais.”

Gastei tempo pensando nas palavras dele. A princípio, elas me pareceram fora de propósito e apenas produto da cabeça dele. Mas acabei entendendo que existem outras pessoas que pensam dessa forma, talvez até inconscientemente.

Alguns refletem esse pensamento querendo “modernizar” nossa mensagem ou estilo de vida, para tornar atrativa a igreja. Querem parecer menos diferentes e mais iguais. Para Ellen White, essa estratégia está errada. Ela é clara quando diz que “a conformidade aos costumes mundanos converte a igreja ao mundo; jamais converte o mundo a Cristo” (O Grande Conflito, p. 509).

Outros tentam esconder sua identidade, pensando em não criar preconceito e, com isso, abrir portas no futuro. Sei que devemos ser prudentes, mas essa também é uma estratégia errada. Precisamos apresentar a mensagem bíblica com amor, de forma positiva, mas também com profundidade, clareza e refletida em nossa forma de viver.

Existem também aqueles que procuram viver como os que ainda não se entregaram a Jesus, querendo ser aceitos por eles. Acham que esse é um ponto de aproximação, que elimina barreiras. Outra estratégia errada! Pode até eliminar barreiras humanas, mas cria barreiras espirituais. É o principio da água e do óleo. Um pode influenciar o outro, mas não se misturam. Quanto mais perto estivermos da volta de Cristo, mais diferentes vamos ficar, até que esse convívio se torne impossível e Ele venha nos buscar.

Com dor no coração, tenho visto algumas pessoas que deixam de lado nossa identidade de formas tão simples e práticas, do tipo:

1. Aparência pessoal fora dos princípios bíblicos. Modéstia e decência não combinam com roupas que apelam para o sensualismo, uso de unhas coloridas ou joias, por mais discretas que possam parecer (I Pedro 3:3, 4). Ellen White afirma: “A abnegação no vestir faz parte de nosso dever cristão. […] abster-se de ostentação de joias e ornamentos de toda espécie, está em harmonia com nossa fé” (Evangelismo, p. 269). “Joias e vestuário dispendioso não nos darão influência” (Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 249).

2. Frequência a lugares impróprios para um cristão. Bares, boates, cinemas ou shows são ambientes que não combinam com o estilo de vida adventista nem com os valores cristãos. Eles enfraquecem nosso testemunho.

3. Gosto musical comprometido. Não podemos esquecer que, nos últimos dias, “Satanás fará da música um laço” (Ellen White, Eventos Finais, p. 159). Não é tentando tornar nossa música mais gospel ou mais popular que vamos fazê-la poderosa. Ela poderá ficar mais interessante, mas acabará sendo menos eficaz.

4. Enfraquecimento dos princípios de saúde. Continuamos sendo o povo que cuida do corpo como o templo do Espírito Santo (I Coríntios 6:19); que busca uma alimentação saudável e natural; que não usa bebidas alcoólicas ou café por recomendação inspirada: “O único caminho seguro é não tocar, não provar, não manusear o chá, o café, vinhos, o fumo […] e as bebidas alcoólicas” (Ellen White, Conselhos Sobre Saúde, p. 125). O mundo está apresentando essa mensagem sem timidez. Não podemos enfraquecê-la.

Le Roy Froom dizia que “enquanto a igreja evangeliza o mundo, o mundo seculariza a igreja”. Essa é a estratégia errada. As pessoas não estão procurando um evangelho de segunda linha, que seja uma coisa, mas tenta parecer outra. Nossa sociedade não quer mais desse evangelho. Por isso, como igreja, somos desafiados a reformar e não nos conformar com os hábitos da sociedade em que vivemos (Romanos 12:2). Afinal, “ninguém, depois de acender uma candeia, a cobre com um vaso ou a põe debaixo de uma cama; pelo contrário, coloca-a sobre um velador, a fim de que os que entram vejam a luz” (Lucas 8:16). Vamos usar a estratégia certa!

Pr.Erton Koeller

Fonte: http://www.ucob.org.br/noticias/UCoB/presidente/kohler_fevereiro09.php (publicado na Revista Adventista de Fevereiro de 2009)

Desobediência e Rebelião

desobediencia

Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos Céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos Céus. Mateus 5:19

Aquele que violar voluntariamente um mandamento, não observa, em espírito e verdade, nenhum deles. “Qualquer que guardar toda a lei e tropeçar em um só ponto tornou-se culpado de todos” (Tg 2:10).

Não é a grandeza do ato de desobediência que constitui pecado, mas a discordância com a vontade expressa de Deus no mínimo particular; pois isto mostra que ainda existe comunhão entre a alma e o pecado. O coração está dividido em seu serviço. Há uma virtual negação de Deus, uma rebelião contra as leis de Seu governo.

Se as pessoas fossem livres para se apartar das reivindicações do Senhor e estabelecer uma norma de dever para si mesmos, haveria uma variação de normas para se adaptarem aos diversos gostos, e o governo seria tirado das mãos de Deus. A vontade do homem se tornaria suprema, e o alto e santo querer de Deus – Seu desígnio de amor para com Suas criaturas – seria desonrado, desrespeitado.

Sempre que preferem seus próprios caminhos, os homens se colocam em conflito com Deus. Eles não terão lugar no reino do Céu, pois se encontram em guerra com os próprios princípios celestiais. Desconsiderando a vontade de Deus, estão se colocando ao lado de Satanás, o inimigo do homem. Não por uma palavra, nem muitas, mas por toda palavra que sai da boca de Deus viverá o homem. Não podemos desatender uma palavra, por mais insignificante que nos pareça, e estar seguros. Não há um mandamento da lei que não se destine ao bem e à felicidade do homem, tanto nesta vida como na futura. Na obediência à lei de Deus, Seus filhos circundados como por um muro, e protegidos do mal. Aqueles que, em um só ponto que seja, derrubam essa barreira divinamente erigida, destroem o poder para protegê-los; pois abrem um caminho pelo qual o inimigo pode entrar, para enfraquecer e destruir.

Arriscando-se a desprezar a vontade de Deus em um ponto, nossos primeiros pais abriram as comportas da miséria sobre o mundo. E todo indivíduo que segue o seu exemplo ceifará idênticos resultados. O amor de Deus é a base de cada preceito de Sua lei, e aquele que se afasta do mandamento está operando sua própria infelicidade e ruína (MDC, p. 51, 52).

Boletim virtual 02 e 03/08

Boa tarde!

Segue o nosso boletim virtual. Esperamos você e toda sua família nesse final de semana. Está sendo uma benção para todos nós a semana de oração jovem, venha você também sentir o calor do Espírito Santo.

Sexta:

  • Pôr do sol com a família
  • 20h – Culto com o pastor Forlan

Sábado:

  • 7h – Vitoriosos da Oração
  • 9h – Escola Sabatina
  • 11h – Culto de adoração
  • 15h – Curso saúde total – Ministério da Saúde
  • 15h – Visitas, estudos bíblicos – Ministério Pessoal
  • 17h – Vigília da Esperança – ADRA
  • 20h – Víglia no IASD Colonial (sáida para o culto da mata)
  • Social dos Jovens 10V+
    Vamos fazer novas amizades na grande social realizada pela equipe jovem 10V+

Domingo:

  • 5h – Culto da mata
  • 19h30 – Culto Evangelístico

Estudo bíblico – A Bíblia ensina

A Bíblia é um dos passos para você ter vitória. Fonte inesgotável de sabedoria, o manual da vida. A série de estudo bíblicos tem inicio com a principal fonte de sabedoria e estudo dos cristãos. O material foi desenvolvido em powerpoint,  muito bem elaborado e ilustrado. Com certeza, um excelente material de apoio para seus estudos. Faça o download das lições e faça o estudo completo com sua família e amigos.

Estudo 1 – A Bíblia ensina que Deus existe

Estudo 2 – A Bíblia ensina

Estudo 3 – A Bíblia ensina o orar

Estudo 4 – A Bíblia ensina que Jesus vai voltar

Estudo 5 – A Bíbia ensina quando Jesus vai voltar

Estudo 6 – A Bíblia ensina o cmainho da vitória

Estudo 7 – A Bíblia ensina como ser salvo

Estudo 8 – A Bíblia ensina o segredo do perdão

Estudo 9 – A Bíblia ensina como funciona o julgamento de Deus

Estudo 10 – A Bíblia ensina as regras de Deus

Estudo 11 – A Bíblia ensina qual é o dia de Deus

Estudo 12 – A Bíblia ensina como entender a morte

Estudo 13 – A Bíblia ensina qual é a igreja e Deus

Estudo 14 – A Bíblia ensina que Deus fala

Estudo 15 – A Bíblia ensina a se entregar

Estudo 16 – A Bíblia ensina uma sociedade cm Deus

Estudo 17 – A Bíblia ensina uma vida melhor

Estudo 18 – A Bíblia ensina a entregar tudo

O estresse e o descanso semanal

O estresse foi chamado de “mal do século” pela Organização das Nações Unidas (ONU), em seu relatório geral de 1992. E esse nome continua sendo apropriado para o século vinte e um, pois vivemos numa época de mudanças cada vez mais profundas e freqüentes.

Vladimir Bernik, médico psiquiatra e coordenador da Clínica de Estresse de São Paulo, revela: “Diversos pesquisadores notaram que a mudança é um dos mais efetivos agentes estressores. Assim, qualquer mudança em nossa vida tem o potencial de causar estresse, tanto as boas quanto as más.” Segundo ele, o estresse ocorre “de forma variável, dependendo da intensidade do evento da mudança, que pode ir desde a morte do cônjuge – o índice máximo na escala de estresse – até pequenas infrações de trânsito ou mesmo a saída para as tão merecidas férias”.

Conseqüências – Esse mal moderno, de acordo com Marilda Novaes Lipp, psicóloga especializada em estresse, pela PUC de Campinas, pode causar envelhecimento precoce, obesidade, anemia e baixa imunidade. Num espectro mais amplo, os sinais físicos mais comuns são: aumento da freqüência cardíaca, tensão muscular, palidez, alteração do sono, alterações digestivas, alteração da função sexual, dermatoses, mudança de peso, quadros alérgicos, baixa resistência a infecções e queda de cabelo. Sinais psicológicos: depressão, sensação de incompetência, desmotivação, tendência a se sentir perseguido, tendência para o autoritarismo, isolamento e introspecção, queda da capacidade de concentração, etc.

Por tudo isso, não é exagero chamar o estresse de “assassino silencioso”. Mas o médico e psicólogo Gary Calhoun afirma que o estresse é o “tempero da vida”. Estaria ele equivocado? Não. Na verdade, o estresse não é um mal em si. E alguns até sugerem: “Sinta-se exigido e agitado, mas não esmagado.” Quando, porém, as pessoas têm dificuldade para se adaptar a novas circunstâncias, o estresse torna-se negativo. Seja como for, todos nós enfrentamos diariamente as pressões da vida, tanto no ambiente familiar quanto no trabalho.

Existe saída – Quando os tentáculos do estresse nos envolvem, experimentamos uma sensação de incapacidade. Ficamos paralisados. As coisas não andam. Nossos projetos e metas nos esmagam. Passamos a fazer parte da multidão dos que choram, quando deveríamos estar vendendo lenços… Em situações dessa natureza, desejamos um período de folga, uma trégua. Procuramos, ansiosamente, uma válvula de escape. Mas nem sempre somos bem-sucedidos, pois levamos todas as pressões psicológicas para nossos supostos momentos de trégua.

Como somos estúpidos! Toda semana temos um dia de folga, mas não sabemos aproveitá-lo para descarregar as pressões que nos esmagam. Além de levarmos os problemas para esse espaço de tempo, não descansamos coisa nenhuma. E assim, nesse ritmo “fórmula um” da vida moderna, criamos outras situações de tensão e ansiedade. Parece que somos movidos a adrenalina. Que sufoco!

Pensemos, porém, na solução. O ciclo semanal, de acordo com os estudiosos, é uma das coisas mais preciosas que temos ao nosso alcance. Após seis dias de trabalho, temos um dia para relaxamento, descontração, prazer e alegria. Nossa máquina mental e física, exausta e aos pedaços, clama por uma adequada reparação. Mas, quase sempre, nos iludimos com paliativos, pois nos estressamos exatamente com aquilo que deveria ser o nosso lazer, nosso meio de escape e nossa restauração.

Recuperando a máquina – A totalidade do ser humano é expressa na dimensão corpo/ alma/espírito. Quando qualquer uma dessas partes é prejudicada, as demais sofrem. Por isso, o processo de recuperação deve contemplar a totalidade do ser.

Na Criação, Deus estabeleceu o ciclo semanal para que o homem pudesse reabastecer-se de novas energias. O Criador da máquina sabia o que estava fazendo. À semelhança de um fabricante de carros, conhecia e conhece os limites do ser que havia criado. Por isso, Ele separou um dia em que pudéssemos jogar para escanteio todas as nossas preocupações e ansiedades. E Deus não somente separou um dia de trégua, mas nos deixou conselhos que os psicólogos não podem contestar, e que valem para todos os dias e momentos. Dois exemplos apenas: “O coração alegre é bom remédio, mas o espírito abatido faz secar os ossos” (Provérbios 17:22). “Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal” (Mateus 6:34).

Na linha do tempo, há um imprescindível ciclo de sete dias. E no final de cada ciclo, uma pausa milagrosa, uma pausa que refresca e restaura. O assunto desta revista fala sobre essa pausa de que todos nós necessitamos: um dia sem estresse! Continue lendo. Você e sua família merecem uma vida melhor. Com qualidade total. Rubens S. Lessa – teólogo e jornalista